quarta-feira, setembro 9

O Dia


Fresco era o dia, plantado na chuva,

jovens os relógios tocando Mozart...

Os carros corriam, os passos passavam

e os velhos sentados dormiam no tempo

regressos perdidos de todas as sombras.


Pássaro pousado na alma da tarde,

era todo o sol natural inverno...

O mar estava perto nos olhos da gente,

um barco chegava em cada minuto

e o segredo bailava nas mãos da criança.


Recordo uma paz sob as gabardinas,

recordo humidade nas rodas dos carros...

(Tão solta no ar corria a memória

que as folhas tão verdes marcavam os anos).

A chuva nascia da terra para o ar

e ria na cara da gente perpétua

- cada riso dela era a rua inteira

e era o cão vadio cheirando esta terra

gerada no vento pelo grande gesto.

Rua colocada por amor das formigas

pequeno brinquedo achado no bosque,

eras mão aberta para todos os sons,

para cada assobio de vapor de água,

para a bela frescura da brisa salgada.

Ligeiros, os céus brincavam escondidos

com a tarde criança presente no ar,

jogavam às pedras ao pé dos passeios

e corriam juntos fugindo do vento...

Passavam pessoas de faces vermelhas,

de um sono pequeno agora acordadas,

seus passos miúdos de nada sabiam

- nada estava feito e tinham dez anos.

A branca neblina sentada no sol

sorria de perto a tudo que era

e tudo saltava na sua presença.


Escorregavam horas do berço dos ramos

ficando caladas, respirando fumo...

E, leves, cheirosas, perpassavam mãos,

tão estreitas e fortes, do primeiro mundo...

Algo se esperava, algo estava perto,

algo era preciso faltava a resposta,

o rio que fosse a cama da chuva,

a sombra final para o sol se deitar,

a torre perfeita com todos os olhos,

a mão que apertasse as coisas dispersas...

E eis que o rio vem, a sombra e a torre,

e se estendem dedos com a tua chegada.


Saltaram coelhos de todas as tocas

e a fonte da serra sorriu-se no musgo.

Manaram os beijos no ar respirado

e as malas abertas mostraram o fundo.

Fugiram cavalos de pernas de espuma

levando no pêlo noticias em branco.

E o vento corria em busca da lua

e a tarde e os céus calavam os gritos...

Silêncio se fez, e a erva cresceu

mais verde e mais fresca, segura certeza.

Espreitaram os sinos, riam-se as escadas,

tudo estava pronto e de novo erguido...


Tão bela que vinhas como que de infância,

tão pura e tão simples, tão gesto benigno,

tão nova palavra rasgada no mar...

Menina dos anos, dos anos perdidos,

sombra de outras noites, noiva de outros dias,

perfeita miragem, pele das próprias mãos,

eis que então chegavas e eis que eu te via,

e as horas sorriam, felizes, completas...


Teu rosto era a concha dos quatro oceanos,

teu corpo era a praia de areia molhada,

teus olhos erguiam o toldo do céu

e enchiam os mastros de verdes bandeiras.

Tu eras o vento, tu eras a força,

dançavam secretas tuas mãos de aragem...


Nasceste presença na tarde de bronze

e agora já nada seria indeciso.

Agora eras tu a essência dos nomes,

os galos cantavam, era bom respirar

Os prados distantes ficavam tranquilos,

esperando os teus pés, berlindes pequenos.

A chuva e a brisa, a jovem frescura,

ganhavam certeza, seguras estavam

- morena lembrança, segundo natal.


Nunca mais a noite mordida no escuro,

nunca mais o dia manchado de cuspo,

nunca mais o véu tapando-me tudo,

nunca mais os dedos procurando flores...

A estátua plantada na nudez do largo

devolvia a calma aos olhos fechados

e enchia de sombra as pedras queimadas.


Agora eu sabia em cada manhã

nasceria o sol atrás dos teus ombros.


Pedro Tamen in as palavras da tribo, Volume I, Co-edição Altamira e Quetzal, pag.167, 1985
imagem: Matteo Mignani


10 Comments:

João Menéres said...

Conjugação mais que perfeita entre o Pedro Tamen e a imagem de Matteo Mignani.
Arte a tua.

Um beijo, MARTA.

São said...

Gostei muito de aqui (re)ler Pedro.

Bom dia.

Dalaila said...

e assim nunca mais deixarei de sentir este texto!

muito bom, mesmo

. Paulo . Intemporal . said...

. há vida em Marta !

. seja em que voz for, na escrita aqui dita pelo método da escrita .

. um bejo meu, sentido .

João Menéres said...

Só uma nota pessoal: Conheci pessoalmente o P.T. quando era Admnistrador da Gulbenkian.
Conheço alguma obra dele.

Um beijo +

EPC said...

Olá Marta, pela primeira vez estou a escrever no teu blog.

O nome por si só, é muito revelador,,, do quê? ,, pergunto-me !!! ,, não sei, mas sei que é revelador.

Pois, seria um nome que se me ocorresse )para um blog), me agradava.

Há, imagino, muita mais vida em ti, do que aquela que....

podes exprimir , explorar , desenvolver, mostrar, entregar, dar..............
mas há, se há.

Acredito que a sensibilidade, a sensualidade, a arte, os sentimentos e as emoções são um mundo a explorar , a quem o queira ..... e parece-me que o fazes ....

Vou tentar acompanhar a tua procura e fazer a minha .....

um beijo

hasaliah said...

desculpa Marta, o comentário anterior fui eu que o fiz,
a Hasaliah
um beijo

Zaclis Veiga said...

mais um para a minha coleção "vidapósmarta"

Claudia Sousa Dias said...

este tem de ser lido em voz alta!


csd

Marta said...

Bem-vinda Hasaliah.

O planeta é teu :)