sábado, setembro 12

um lugar em que me encontro




"Mesmo que o nosso querer seja pequeno: Deus está a amadurecer."

Rilke


Se deus for este lugar

interior em que me reconheço

tu és o prolongamento exterior

desse lugar

em que o meu olhar recai


E a existência sem existência

prolonga-se na incerteza

de todos os conceitos e limites

porque tu és parte

do que não podes ver

porque se deus for este lugar interior

em que me reconheço


Tu és o nome e o tempo

de tudo o que me pode configurar


Gisela Ramos Rosa, Agosto de 2009
imagem: Gisela Ramos Rosa


[*um lugar em que me encontro sempre que o visito: A Matriz dos Sonhos]

13 Comments:

Funes, o memorioso said...

Ora aqui está um poema de que podemos gostar mais ou menos (eu gosto menos), mas que tem uma característica importante num poema: é um poema. Não, um conjunto de frases sem nexo nem significado.

João Menéres said...

Grande postagem esta a de hoje, MARTA, em que foste buscar em boa hora a GISELA. O desenho e o poema são admiráveis.
Beijos às duas.

C. said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maldonado said...

É um poema bastante tocante que desperta um turbilhão de emoções indescritíveis. Gostei.

C. said...

Marta, felicito-a pela referência ao blogue da Gisela que, para mim já é um dos "viciantes". E há, de facto, como diz o "mestre" Funes, uma coisa essencial (entre mil outras, diga-se) na poesia do Ramos Rosa: é que ela DIZ. Numa linguagem incansavelmente entretecida com a interioridade e se dá a ver não como "cosa mentale", apenas. Para mim, trata-se também da escrita de um "eu" em permanente relação com "o outro". Não se esgota no "dizer a linguagem", de forma tautológica. Tem um corpo.

E cá continuamos no vício! Bom vício, diga-se.
Beijinho

entremares said...

Sabes Marta... eu até posso interpretar mal ( mas também os poemas querem-se sentidos, não é? ) mas suponho que aquele pequeno deus... é só a nossa parte desconhecida, o nosso prolongamento. Há quem lhe chame "nomes" e o deposite noutro alguém, há quem o deposite dentro de si mesmo...

Somos delicadamente incompletos, é só.

Um óptimo domingo para ti.
Rolando

K said...

Muito bonito, Marta. E obrigado por me dares a conhecer um blog tão...

Claudia Sousa Dias said...

não conhecia esta poeta.

mas gostei.

tu devias ser agente literária.


:-))

bjos


csd

Gisela Rosa said...

Marta, obrigada!

O outro é sempre "o nome e o tempo de tudo o que nos pode configurar"


Deliciei-me com todas as palavras dos seus visitantes e com a tua atenção.


Um beijinho Marta

mfc said...

As tuas escolhas são óptimas.
Tocou-me.

heretico said...

gostei muito do poema.
e da tua ilustração...

anotei o blog a que fazes referência. que não conhecia
grato

beijos

Marta said...

obrigada a todos :) fico contente que tenham gostado.

eu gosto tanto tudo íssimo! é dos primeiros blogs que conheci, desde que cheguei aqui. em boa hora!

beijo Gisela. eu é que agradeço.
muito.

sonja valentina said...

assim não vale....