segunda-feira, setembro 14

Prémio Nuno Júdice para João Negreiros

“Parece tudo muito simples, sem qualidades, digamos assim, para usarmos uma expressão que já faz parte do nosso aparato crítico contemporâneo, mas não é", afirmou o Professor Doutor António Manuel Ferreira, da Universidade de Aveiro, acrescentando que “um homem que manifesta uma relação tão sincera com a língua portuguesa só pode ser um verdadeiro poeta. E dizer isto é, para mim, dizer tudo”.

Foi assim que o Professor se referiu à poesia de João Negreiros, vencedor do Prémio Literário Nuno Júdice, com a obra arranha os céus e chove, explicando que “para situarmos estes textos na sua genealogia ético-estética temos de recuar no séc. XX e revisitar alguns textos essenciais de Fernando Pessoa, nomeadamente, as desalentadas confissões de Álvaro de Campos”. Os poemas de João Negreiros, prosseguiu “integram-se em pleno direito num dos trilhos mais vitais da Poesia Portuguesa.” São magníficos, disse, após ter lido alguns excertos.
imagem: sessão de entrega do prémio na Universidade de Aveiro retirado do blog do autor

1 Comment:

Maria said...

Concordo! Os poemas do João são ultra magníficos. Mais que merecido! Parabéns. Muitos Parabéns.
MariafViana