terça-feira, abril 7

E o camião quase a chegar e a estória por escrever


Sabes António, estou aqui numa situação inacreditável! Uma mesa, enorme, com pessoas à volta a analisarem um projecto urgente. Falam de estratégia, de campanha, de investimento, de retorno. Imensas coisas, António! E eu não entendo nada. E o pior, é que saem estas pessoas e entram outras, de seguida. Às vezes, nem consigo almoçar! Tem sido assim, por estes dias, António. Tenho a certeza que se enganaram! Só pode! Na terceira reunião [é assim que chamam a estes encontros em que se fala, fala, fala e nunca chega um bolo para cantarmos os parabéns...porque é evidente que quando se reúnem pessoas à volta da mesa, chega sempre um bolo e velas... mas aqui, não...] alguém se lembrou de me pedir a minha caneta emprestada, António! Acreditas? Pois! Nem eu acreditei! E depois, como não escrevia, disseram-me que não tinha tinta!! Imagina, António, tinta...
E eu, sempre a olhar para o relógio, disfarçadamente, claro.O tempo a passar e eu sem nenhuma estória! E o camião quase a chegar e ninguém arredava o pé dali! E eu sempre muito angustiada! Como ficarias desiludido, António, se entrasses ali, naquele momento! Até eu estava estranha. Sem sapatilhas! Estava com aqueles sapatos que tu não gostas, porque fazem barulho!
Para me abstrair pensei no Antonejo, o caranguejo, no Ouré, o ouriço do mar, no Guiminho, o lobo marinho, na Mariela, a estrela do mar, no Tubarel, o tubarão brincalhão e na Francibela, a sereia! Pensei, ainda, na Benedita, a bruxinha que veio de Praga, de avião, porque tinha a vassoura avariada! Pensei no quanto ela gosta de cerejas! [Lembras-te? Comeu as dela e as do José...]. E no quanto eu gosto de ti – tanto, tudo, íssimo António - e nas coisas que me ensinas.
E no que sinto, quando me ensinas a ver, com o rosto emoldurado entre as tuas mãos, a pedir em silêncio, olha para mim!
E eu olho e vejo que tudo faz sentido. Claro que faz, António!
Penso em todas as estórias e personagens das nossas brincadeiras para ver se o tempo passa mais depressa! [É engraçado António! Quando estou contigo, o tempo passa depressa de mais e, aqui, à volta de uma mesa, onde nunca chegam bolos de aniversário, o tempo emaranha-se e demora demasiado].
Estou apreensiva, António! Daqui a pouco, ouvirei o motor do camião, junto ao rio e temo não ter a estória pronta! Porque eles não saem daqui, António! Devem ter-se enganado, estes senhores das estratégias, das campanhas, dos investimentos e dos retornos!
Entraram na porta errada! Não sabem a verdade. Não sabem nada!
Não vêem como tu vês! Não descobrem, como tu descobres!

- Sabes tia, eu já sei o que fazes no teu trabalho! Escreves estórias com uma caneta mágica que tem sempre tinta! Depois, vai lá um camião, todos os dias, buscar as estórias para as lojas, para os pais comprarem e lerem à noite!

Pois é António! Mas só tu sabes, meu amor! Só tu descobriste!


[É tão bom crescer contigo! Feliz aniversário, António!]


[parabéns pais!]

13 Comments:

sonja valentina said...

parabéns tia babada... =))
e uma abracinho especial ao António!

PAS[Ç]SOS said...

Nem eu!... António, nem eu que gosto de escrever e ler estórias sabia existir um camião que as distribua pelas lojas... só uma caneta com tinta mágica poderá escrever essas tuas estórias... só uma ternura mágica consegue escrever estas estórias que partilhas com a tia Marta. Parabéns António! Parabéns Marta!

Anónimo said...

Tanta ternura, mesmo ao final do dia! Saio daqui com um sorriso imenso que estas tuas histórias sempre me provocam.

Tão bonito, Marta. Parabéns ao António.

Cristina M.

K said...

Despacha lé esses tipos dos projectos! Que os camiões das históris não esperam! E esta é tão bonita como só tu podes ser!

Parabéns António!!!

MRF said...

Parabéns, tia! Parabéns António! Sabes, por aqui também há histórias e podias enviar o teu camião para as buscar. não sei é se ias gostar porque as histórias da tia são mesmo muito giras, e as nossas, pois, metem sempre bonecas e músicas malucas, coisas que os rapazes só apreciam às vezes. mas enfim, como as escritoras das histórias nasceram no dia 3 de Abril, quase quase o mesmo dia dos teus anos, se calhar, afinal, até partilham certos gostos. Por exemplo, elas adoram motas de todas as cores e há uma história em que o protagonista até se chama (sempre!) António: é a história d' «as motas do António». Consoante a cor da mota que usa em cada dia, quer tudo dessa cor...nesse dia. Por exemplo, se a mota for amarela, só pode comer frutas de casca amarela, os pássaros lá da casa também são amarelos (gostas de periquitos?), etc..

Beijos de 3 meninas

Luis Bento said...

A tua caneta é mágica, o teu coração é doce... e nós temos muita sorte em ler-te...

Paulo - Intemporal said...

______________________________ e

porque o tempo é de reflexão

____________ faço uma p.a.u.s.a.

no efémero dos dias [...]

e deposito aqui votos de uma Páscoa feliz e amplamente renovada.

____________ um a.b.r.a.ç.o.

e tão breve serei outra vez presença, com amizade e devoção

[...]

______________________________ .

vaandando said...

... comovente, comovente!
parabéns aos dois !
cordialmente

________ JRMARTO

Marta said...

Sonja: sou mesmo, confesso!

Passos: pois é! tb já lá li uma estória bem bonita! As crianças buscam sempre o melhor de nós!
São uma inspiração!

Tinita: gestos de ternura. sempre!

K: :) Sorrisos. Mil.

Luis: canetas mágicas devem aproveitar a inspiração dos corações... doces :)

MRF: minha querida! souberam-me tão bem as tuas palavras! Vou acordar um encontro entre o António e as tuas princesas :)

Paulo: ternura, para ti também!

JRMarto: Bem-Vindo!
Eu fui andando, confesso, e fiquei-me por lá!

Obrigada a todos :)

Anónimo said...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo said...

és muito querida, Tia Marta
antónio

Claudia Sousa Dias said...

que riquinho, beijos para ele também.


csd

Marta said...

QUERIDO

...é o António e o mano
e os meus sobrinhos todos :)

beijo doce e babadíssimo da tia mais babadíssima do mundo :)

TANTO. TUDO.ÍSSIMO. meus queridos todos!