terça-feira, maio 5

Vasco Granja - Uma vida mil imagens

Claro que estou triste! Ainda me recordo bem dele! Para mim, todos os desenhos animados do mundo, viviam em sua casa. Os dos países de Leste, Oeste, Norte e Sul. Todos, na casa do Vasco Granja. E quando ele aparecia era certo de que, com ele, apareciam imensos personagens afáveis como o seu sorriso. Tantas vezes o imaginei a ter grandes conversas com a Pantera Cor-de-Rosa, a minha preferida.

Durante um salão de Banda Desenhada, na Exponor, em 2003, Vasco Granja foi homenageado. Nessa altura a ASA editou um livro intitulado Vasco Granja - Uma vida mil imagens. Guardo com imenso carinho o livro que me autografou e as breves palavras que troquei com ele. Com o "pai adoptivo" da Pantera Cor de Rosa, como lhe chamei na altura. E Vasco Granja, não negou! Claro que estou triste!
Mais aqui.
imagem: Manuel de Sousa

10 Comments:

PAS[Ç]SOS said...

Ainda, ontem, dizia a um 'novo' espectador de muitos desenhos animados: 'Sabes? Aquele senhor era quem trazia até à minha televisão alguns dos bonecos que agora gostas tanto de ver!'

Claudia Sousa Dias said...

tn tenho muitas saudades do Vasco Granja.

devo-lhe a ele toda a minha cultura cinéfila de animação.



beijo

Anónimo said...

Grande Vasco Granja! GRANDE!

E tu, Marta, tens muita graça!Tanta graça que tu tens. Aliás, eu não conheço no que as estas coisas reporta, pessoa tão engraçada como tu! Em meia dúzia de linhas consegues ter uma graça que ninguém imagina mas talvez um dia eu te entenda, essa graça!!!!
Mudar as imagens, mudaste e o resto? Blá, Blá, Blá, e o resto minha amiga, o resto??!!!!!!
Tu és mesmo muito engraçada!

XPTO

Gi said...

Vasco Granja granjeou muitas simpatias, de facto. :)

Marta said...

Desculpem, estimados visitantes, é só uma conversinha privada, aqui - para não perder uma aposta - que eu tenho amigos malucos :) :) :)

XPTO: eu tb te acho muita graça, paletes de graça! toneladas de graça! E vamos jantar, tu a pagar, de graça para mim, portanto!
Para outra gracinha qualquer, é favor usar e-mail, telf. fax menos incomodar os meus queridos visitantes que não percebem a graça que tu tens :)
beijos, muitos
ps: ganhei a aposta

Anónimo said...

Claro que me lembro. Era ele que nos trazia os bonecos :)

beijinho
Cristina M.

Pedro Lopes said...

tenho mixed feelings...

por um lado ele trazia essa lufada de ar, passava os filmes do Office National du Filme que ensinavam a fazer animação, eu sei lá, ele era aquela figura sabedora, a fonte...

depois tive que tratar com ele de perto, profissionalmente

o que acontece quando nos aproximamos do ídolo e vemos para lá do que o ecrã da televisão nos mostrava?

Marta said...

pois é Pedro! Nessa perspectiva pode ser, como diz o povo,
«o santo com os pés de barro»!

Eu como só o vi na televisão e, depois, 10, 15 minutos, o tempo de um autógrafo e a troca de breves palavras, tenho aquela imagem doce do "senhor que trazia os desenhos animados", os que gostava e os que gostava menos. Para mim, será o eterno "pai adoptivo" da pantera cor de rosa.

Pedro Lopes said...

sim, era sempre AQUELA delícia quando ele no início do programa falava da Pantera Cor de Rosa, e a prometia, mas para o fim!, e finalmente no fim passava um desenho animado da PANTERA COR DE ROSA! era AQUELA loucura!

vi os programas todos, que ele passava, eu absorvia aquilo como água seca mergulhada em esponja, perdão!, (saiu assim à primeira, não apaguei!) como esponja seca mergulhada em água!

aprendi as técnicas de animação pelos filmes que ele passava, do Office National du Film, plasticina, e pixilação, e tela de alfinetes, e vidro, e papel, e recortes, e time lapse, e tudo! aquilo foi uma escola, uma bela escola...

João Francisco said...

Saudades mesmo, Marta! O que eu não pagaria para ter um seu autógrafo...
Uma vez estive perto dele... mas de tão parvo que fiquei... nem consegui abrir a boca. Se o arrependimento matasse...
Se algum dia se quiser desfazer desse seu livro eu comprei no mesmo segundo!

João Francisco