domingo, maio 17

a noite pede música

[...]

Que perfeito coração

no meu peito bateria,

meu amor na tua mão,

nessa mão onde cabia

perfeito o meu coração.

[...]
Que perfeito coração

no meu peito morreria,

meu amor na tua mão,

nessa mão onde perfeito

bateu o meu coração.

9 Comments:

Funes, o memorioso said...

Não é uma versão muito má. Mas não acrescenta valor ao original de Amália

PAS[Ç]SOS said...

Pois eu acho-a fantástica! Mostra como uma canção, ou fado se preferirem, pode atravessar as fronteiras do tempo... basta que se lhe adaptem as roupagens devidas. E também Carlos do Carmo a canta e nada acrescenta à versão da Amália. Não é preciso acrescentar! Nestes assuntos talvez seja mesmo melhor é cada um ser 'eu'!

Funes, o memorioso said...

A versão de Carlos do Carmo desacrescenta.
O que eu pretendia dizer era que com a versão do post ou sem a versão do post a felicidade do mundo não se alterava.
Com a versão de Carlos do Carmo a felicidade do mundo diminuiu.

Claudia Sousa Dias said...

:-)


beijo, minha querida.


csd

jg said...

A noite pede música e a música pede droga...
Digo eu. Cos nervos.

Su said...

gostei da escolha


jocas maradas de sons menina

Carlos Azevedo said...

Ao princípio, até achei esta canção engraçada, com a sua orquestração tipo festival da canção dos anos 60/70… Estava a anos-luz do original na voz da grande Amália Rodrigues, mas, ainda assim, o resultado era engraçado. Contudo, quando ouvi o resto do disco... Credo!!! É muito mau para ser verdade. A Sónia Tavares, ainda assim, justiça seja feita, é a que melhor se saiu.

Já agora: também não se aplica aqui o argumento do risco e da originalidade. Tudo neste álbum soa a Gift…

Malina said...

Ganha-se na modernidade(?). Perde-se em genuinidade (da voz e da intensidade no canto de Amália).É mis light, mas não é nenhum atentado ao original.Não é portanto "pior" (digo eu, claro)
É diferente. Penso que deve ser ouvido "apenas assim".

mfc said...

O O'Neill era fantástico e ficou lindamente de mãos dadas coma Amália!