sexta-feira, agosto 28

Os amigos



Esses estranhos que nós amamos

e nos amam

olhamos para eles e são sempre

adolescentes, assustados e sós

sem nenhum sentido prático

sem grande noção da ameaça ou da renúncia

que sobre a luz incide

descuidados e intensos no seu exagero

de temporalidade pura


Um dia acordamos tristes da sua tristeza

pois o fortuito significado dos campos

explica por outras palavras

aquilo que tornava os olhos incomparáveis


Mas a impressão maior é a da alegria

de uma maneira que nem se consegue

e por isso ténue, misteriosa:

talvez seja assim todo o amor


José Tolentino de Mendonça


[Dedicado à Claudia com um grande, grande beijinho de PARABÉNS! Tudo de BOM hoje e sempre, minha querida... e, leva as rosas, também são para ti :)]

3 Comments:

Claudia Sousa Dias said...

obrigada, minha linda...!
um beijo grande


csd

Anónimo said...

P A R A B É N S!!!!

Luz said...

Receber um poema como este no dia de aniversário é de facto especial.
Excelente escolha!