quinta-feira, setembro 9

Zaclis Veiga - luz, linha, papel

[ adoraria estar lá de corpo e alma. estarei de alma. muito de alma. com a alma inteira, nesta exposição da minha muito querida amiga Zaclis.
ficarei aqui, olhando pelas janelas que me abriste... sentindo muito. sentindo tudo.
e agradecendo a deus o cruzamento dos nossos caminhos e a árvore, aqui ao lado, que fizemos nossa ]

Os trabalhos de Zaclis revelam sua profunda intimidade com a luz, adquirida pela prática da fotografia – forma de expressão constante da artista.
Fotografou trabalhos feitos com dobraduras em papel, e, a partir do convite feito pela Secretaria Municipal de Esporte e Cultura para mostrar em Castro as fotos e os desenhos feitos em nosso atelier, pesquisou elementos que pudessem remeter à cidade e, assim, escolheu a partitura impressa da valsa “Vem”, de Bento Mossurunga. A partitura adquire, então, a função de suporte para novas experiências. Segundo Zaclis , “a sonoridade da canção de Mossurunga remete a idéia de vôo” e é por isso que recorta secções em forma de v nos papéis dobrados.
Ou seja, da simples proposta do desenho de observação das dobraduras do papel, Zaclis foi além dos contornos das formas. Seu olhar buscou os espaços vazados, registrando em nanquim sobre o branco do papel, a apreensão daquilo que já reside em sua essência: luz, clareza, objetividade.

Leila Pugnaloni
Agosto de 2010

6 Comments:

João Menéres said...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Menéres said...

ZACLIS VEIGA é uma amiga cujo trabalho acompanho e muito admiro desde o início do Grifo Planante!
O maior sucesso é o que desejamos alcance com esta sua Exposição.

Beijos para quem dá a notícia e para quem expõe.

João Menéres said...

...faltou uma palavrinha...
As minhas desculpas.

Claudia Sousa Dias said...

Quando estiver patente no Porto, estarei lá. Batidinha.


Beijosssss....


CSD

Zaclis Veiga said...

Marta, minha querida, obrigada pelas palavras. Tão lindas como só você sabe tecer.
queria que janelas se transformassem em portais para eu estar por aí quando meu coração se apertar de saudade.
beijos,
muitos

Zaclis Veiga said...

Obrigada João pelas palavras carinhosas
Claudinha, quem sabe as exponho no Porto. Veremos.
beijos