quinta-feira, setembro 23

advertência literária

["O melhor destino é aquele que nos faz sentir em casa"]


["É fácil transformar as fantasias em realidade"]

O que é que estes dois livros têm em comum? Eu digo. Nem um, nem outro podem ser lidos numa sala de espera, onde outras pessoas esperem também, aparentemente ensimesmadas. Ou num pequeno restaurante onde o tilintar das louças e dos talheres parece abafar outros ruídos. Não abafa. A cada virar de página, num e noutro livro, pode escapar-nos uma gargalhada estridente. Também acontece de ficarmos profundamente alheados e, na sala de espera, não ouvirmos chamar pelo nosso nome. Se, por exemplo, não sorri há muito tempo não deverá começar nem por um, nem por outro. Pois é o tipo de leitura que, com frequência, eleva as maças do rosto e a alma com elas. Com as maças do rosto. Isto para dizer que as pessoas à sua volta podem a qualquer momento, irritadas - mas educadamente - perguntar:
- mas, afinal, está a ler o quê?
De modo que o melhor é fechar-se em casa, como num cofre, e ler. Ler muito. É.

5 Comments:

Poetic GIRL said...

Fiquei curiosa com as sugestões, vou tentar ler! bjs

Anónimo said...

Martaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa,

Assim, não vale, minha amiga, e começo por qual?

bjos, Cris

Carla Farinazzi said...

Valeu pelas dicas, Marta...

Um beijo

Carla

sem-se-ver said...

permite-me responder a Cris?

pelo millás :-)

concorda?

Marta said...

sim, pode ser, se-.se-ver... :)

só de pensar, por exemplo, no conto "o espaço interdigital" já sorrio :)