domingo, setembro 26

Ver-te é como ter à minha frente todo o tempo


Ver-te é como ter à minha frente todo o tempo
é tudo serem para mim estradas largas
estradas onde passa o sol poente
é o tempo parar e eu próprio duvidar mas sem pensar
se o tempo existe se existiu alguma vez
e nem mesmo meço a devastação do meu passado.

Ruy Belo

2 Comments:

João Menéres said...

O relógio está adiantado...

Vai à frente do tempo.
Posso ver-te mais tempo, afinal...

Marta said...

Ainda bem, João, que aqui, ao menos aqui, anda adiantado...
O meu tem-se atrasado uma horitas :)
beijinho