segunda-feira, fevereiro 16

Esqueçam a neutralidade

«Não estou à espera que concordem com tudo o que eu diga aqui. Mas espero que quando discordarem...discordem zangados. Que fiquem tão lixados que...façam alguma coisa.
FAZER ALGUMA COISA. Essa é a ideia essencial, não é? (Tenha pena do pobre castanho.)
(A Tecnicolar lidera). A frase chave da minha história... a história de "porquê este livro"...é uma lápide. (Frase-chave, lápide, talvez uma estranha justaposição, mas quando chegamos aos 60 pensamos nestas coisas.) É uma lápide que tem o epitáfio que mais quero evitar:
Thomas J. Peters
1942 - 2003
Teria feito coisas
mesmo fixes, mas o
patrão não deixou.
Oh, meu Deus, não me dês esse desgosto! (E já agora, por favor, apaga o "2003".)
Por outro lado, sei exactamente o que quero escrito na minha lápide:
Thomas J. Peters
1942 - Sempre
Foi um jogador.

Não "ele ficou rico". Não, "ele ficou famoso". Nem sequer "ele fez bem as coisas". Em vez disso: "Foi um jogador". Por outras palavras: não ficou sentado nas linhas laterais...a ver o mundo passar...enquanto tinha lugar a mais profunda alteração de premissas básicas das últimas centenas de anos (se não dos últimos cerca de mil anos).
Concorde ou discorde de mim em tudo o resto, mas se tiver um pingo de integridade ou espírito ou garra, tem de concordar com isto: sair das linhas laterais - ser um jogador não é uma opção».
Tom Peters in Reinventar o Mundo! pag.11

1 Comment:

Dalaila said...

normalmente os teus livros, depois passam a ser meus..... beijinhos linda