segunda-feira, fevereiro 9

Quem quer ser bilionário?




É tão simples! Tem a magia dos pratos simples e saborosos. íssimos. Se quisermos, é a história de um príncipe que vai em busca da sua princesa. Com mil coisas a acontecerem de um lado e do outro. É a supremacia dos valores, em vez da vil vitória da falta de escrúpulos. A vitória dos bons sobre os maus. Assim, pronto. Sem rodeios. É o destino, como defende o próprio filme. É uma receita da avó, reinventada pela neta, uns bons anos depois. Um arquétipo antigo, a sustentar uma teoria moderna. Sei lá, é brilhante, em muitos aspectos, é brilhante. Gostei tanto.
Até tem uma estação de comboios, um dos melhores palcos do mundo para uma bela história de amor. Digo eu, que amo estações de comboios, locomotivas e linhas férreas.
Jantei este filme, depois de ter almoçado em ambiente indiano, paladares indianos. Tão bom!
[Quem viu a Cidade de Deus, com certeza irá lembrar-se deste filme, nem que seja por segundos.] Slumdog Millionair leva-nos por uma Mombaim sem metáforas, a um ritmo alucinante, ao longo de perguntas para as quais, muitas vezes, gostaríamos de não saber a resposta. Tal como Jamal, um rapaz de 18 anos, sem instrução, que não sabe quem figura nas notas do seu país natal, mas sabe que Franklin Roosevelt já figurou nas notas de cem dólares. E sabe que entre os mais antigos poetas da índia, se encontra Surdas, mas não sabe um dos nomes dos Três Mosqueteiros. De qualquer forma, Jamal soube o que era necessário saber para que o seu destino se cumprisse com um final feliz. Saber e intuição. [A intuição é muito importante.]
Ai como gosto de um bom final feliz... Aliás, eu não gosto...eu vendo a alma por um final feliz!


9 Comments:

Funes, o memorioso said...

Obrigado por este comentário. Fiquei esclarecido quanto à natureza do filme. Como eu já suspeitava, não vale a pena perder tempo a vê-lo.

Anónimo said...

eu já vendi alma por um final feliz.
Mas enganaram-me, não o entregaram!

Marta said...

Prof. Funes,

olhe que não, olhe que não...

:)

Sr (a). Anónimo (a),

Reclame, escreva para a DECO! Faça qualquer coisa.

Não baixe os braços, ora!

Venda novamente a alma!

é que a alma, mesmo em cacos, ficamos sempre com ela.

Recupera-se!Às vezes até fica como nova...

Os finais felizes é que nem sempre!

Mas tb, diga-me, conhece muitos a acertarem num final feliz à primeira?

:)

Dalaila said...

quem não suspira por um final felizzzzzzzzzzzzzzz! e com todo este teu pormonor, eu também quero ir ver.

Claudia Sousa Dias said...

parece ser muito ao estilo Bollywood...

:-))

por isso deve ser divertido1


CSD

Anónimo said...

Cara Marta, o único final feliz de que ouvi falar é a morte.
O único que conheço é o orgasmo (alguns)

Anónimo said...

Esse finais felizes também são uma lotaria... Também os roubam às vezes ou não os entregam...eheh

O primeiro final feliz, não faz o meu género.

Este post de bollywood, tem comentários à hollywood :)

Estou a ficar fã do planeta marta.

Eduardo Trindade said...

Ah, pois deve ser interessante, eu estou com vontade de assistir a esse filme quando for lançado aqui!
Na verdade, ele é baseado em um livro que eu li há dois anos e qu eno Brasil se chama "Sua resposta vale um bilhão". O livro vale a pena, tem momentos instrutivos, divertidos e felizes, mas também narra, definitivamente, muito sofrimento...
Abraços!

armando s. sousa said...

Dos filmes candidatos ao óscar, falta-me ver o Milk que voiu ver esta semana e o Leitor que ainda não estreou.
Este "Quem quer ser Bilionário?" é para mim o melhor dos três filmes.
Um abraço.