domingo, fevereiro 8

Bilhete postal para a Rosa


Rosa, minha querida,
quando as cores são janelas voltadas para a alma, não é preciso verbalizar nada.
As estrelas raras [do meu céu] brilham intensamente. Em silêncio.
Que os teus quadros fiquem sempre perto das palavras da Eduarda. São o díptico perfeito.
Eu só posso estar grata por ter sido chamada a dizer. Mesmo que muitos rostos atentos me deixem os nervos à flor da pele; mesmo que as letras todas me fujam numa alucinação do verbo; ainda que às vezes, dentro da multidão, não consiga segurar as palavras no local exacto onde as pousaram, obrigada.
Sim, Rosa, eu é que agradeço. Tudo. Inclusive não verbalizares.
Brilha.
As estrelas brilham, Rosa. Não verbalizam.

2 Comments:

Anónimo said...

Este bilhete postal devia chegar, com o nome de cada um, à nossa caixa de correio.
TÃO LINDO!
Cristina M

Anónimo said...

LINDO!!!!
Sinto-me embriagada com o teu postal.

RP