sábado, novembro 27

O Japão é um lugar estranho

«Estava com o meu filho de doze anos no clube de vídeo, quando ele alugou O Verão de Kikujiro, um filme japonês com um tipo duro e um miúdo, onde a encantadora personagem do rufia cheio de tiques é representada pelo actor Beat Takeshi. Como poderia eu saber naquela altura aonde aquilo nos iria levar?
Nas semanas seguintes, Charley alugou O Verão de Kikujiro várias vezes e, embora estivesse com ele quando isso acontecia, eu não fazia a mais pequena ideia do modo como ele viria a ser profundamente afectado pelo filme até ao dia em que ele me disse, calmamente, em passant: “Quando for grande vou viver para Tóquio.”
Charley é um rapaz tímido e eu viria a interrogar-me, mais tarde, se ele teria tido o vislumbre de um país onde a sua própria personalidade pudesse ser considerada digna de admiração. Fosse isso verdade ou não, a silenciosa paixão dele pelo Japão rapidamente se intensificou, instigada não só pel’O Verão de Kikujiro mas por todo um outro leque de estímulos. Não estou com isto a sugerir que ele passava as noites, deitado, a ler Tanizaki ou Bashō. Esse acabaria por ser o meu destino. Ele tinha doze anos. Estávamos no ano que antecedeu o Iraque, antes de ele ter descoberto o punk rock, os NoFX e os Anti-Flag. Ele e os amigos andavam de skate. Tinham Xboxes e GamesCubes e Playstations2 e, embora ele lesse todas as noites durante meia hora, marcava exactamente meia hora no alrme do relógio e, assim que ele soava, fechava o livro. Aquilo em que Charley pegava, nesse período, era em traduções inglesas de banda desenhada japonesa.»
(…)
O Japão é um lugar estranho [Wrong about Japan], Peter Carey (Tradução de Carlos Vaz Marques, Ed. Tinta da China)

Desviado de No vazio da Onda
[adorei o filme O Verão de Kikujiro. até o tenho em DVD... é lindo!]
.

2 Comments:

Anónimo said...

Marta,
Eu vi este filme contigo e a Marta no Nuno Álvares.
FANTÁSTICO!!!!!
(precisamos de vários leços de papel...)
Bj

Marta said...

pois foi linda...montanhas de anos e tb tenho esse dia tão presente!
lenços de papel, vários?...hummm :)
verdade!