quinta-feira, junho 4

Entre os teus lábios



Entre os teus lábios

é que a loucura acode,

desce à garganta,

invade a água.

No teu peito

é que o pólen do fogo

se junta à nascente,

alastra na sombra.

Nos teus flancos

é que a fonte começaa ser rio de abelhas,

rumor de tigre.

Da cintura aos joelhos

é que a areia queima,

o sol é secreto,

cego o silêncio.

Deita-te comigo.

Ilumina meus vidros.

Entre lábios e lábios

toda a música é minha.


Eugénio de Andrade
imagem: ?

10 Comments:

alice said...

este é daqueles poemas de sempre! só tenho um livro do eugénio, um especial que traz uma foto original dele, chama-se com o sol na vírgula, e gosto de o folhear de vez em quando :) beijinho, marta

Paulo said...

"Deita-te comigo / Ilumina meus vidros"... ninguém como Eugénio para nos mostrar a poesia. Excelente escolha.

Su said...

como é bom ler e reler e perder.se

jocas maradas...sempre menina linda

Maggie said...

Sempre Eugénio, um dos meus poetas preferidos.

Obg pela partilha.

Bj

Claudia Sousa Dias said...

deste gosto.

muito.


csd

K said...

Entre os teus lábios!
A saudade de um beijo!
Belo poema!

Anónimo said...

Lindo!

Cristina M.

Gisela Rosa said...

Este poema é lindo Marta,
nele "o sol é secreto"!

Um beijinho e obrigada pelas suas palavras no meu espaço.

Zaclis Veiga said...

é tão lindo que me silenciou

lupussignatus said...

harpa

de

labaredas