sexta-feira, junho 19

Tempo de cerveja

As cervejas estão a ficar como as águas!
Complexas. Diversas. Múltiplas.
De todas as cores e sabores. Imensas.
Só falta mesmo uma cerveja para emagrecer!
Eu que há muitos anos, aprendi a gostar de cerveja numa esplanada transmontana, onde a possibilidade era só uma – Super-Bock com tremoços – fico sempre surpresa com as novas invenções. Confesso, a de sabor a pêssego não me entusiasma.
Nunca a provei. Nem faço intenção.
Gosto muito de pêssegos. E gosto muito de certa cerveja. Numa garrafa, não me convencem.
Gosto de cerveja preta. Gosto da Stout. E gosto também da Bohemia. E, claro, sempre, da Super-Bock com tremoços. Em recipientes diferentes. Entenda-se. São sabores afectivos.
Como o da Bud - para os amigos - em certos-fins-de-tarde-mais-citadinos-da-minha-vida.
E com ela, contra o tempo, chegam-me as saudades das conversas com a Cláudia. Ali na Foz. Numa esplanada qualquer frente ao mar. Aromas invadem a memória. Fermentam num coração Atlântico. Muito fundo, ao sol. No teu sorriso, uma brisa muito quente.

5 Comments:

PAS[Ç]SOS said...

Cervejas... faz lembrar-me uma feira delas em Bruxelas. A excitação de haver inúmeras variedades, com todos os sabores, pesos e... preços! Passada a prova e a excitação, ficou a certeza: Ahhhhhh Super-Bock! É evidente que há outras agradáveis mas não sou seguidor das múltiplas variações!


... e com certeza com tremoços!

Dalaila said...

cervejas, tremoços, fins de tarde na foz, isso é um oásis!

Anónimo said...

Experimenta CORAL, vais gostar.
E de preferência lá, do outro lado, porque sabe muito melhor!

bjs
Carla

K said...

Eu bem que bebia uma agora!

Anónimo said...

E eu duas, com tremoços :)

Cristina M.