quarta-feira, janeiro 27

aniversário II - sábios olhos


Como rosa cultivei-te em sonhos meus;
Fiz-te rainha de meus castelos
Que da cova, a graça, me arrebentam os elos;
Tesouro vivo que tantos pedem a Deus.

Caravelas de ninfas vindas dos céus
À terra de homens, combatentes velhos,
Deixando-as pousar com total esmero:
Assim me foram os olhares teus...

Fulgor límpido da aurora de astros viventes,
Iluminara este palácio meu envolto por serpentes,
Mas esquecera que à porta foi posto mil frades...

Por isso, ando deste amor já descrente,
Deste amar que tu não o sentes,
Mas que só teu olhar, o sabe.

Alan Felipe
[poema enviado pelo Alan Felipe Angelin. Brasil]

0 Comments: