quinta-feira, janeiro 7

o lado bom da saudade

Talvez o vento
Talvez as marés
Talvez o jeito
De seres como és
Fossem as ondas
A bater baixinho
Lá onde o mar faz o ninho
Estavas na praia
Os gestos discretos
Eram mistérios
De outros alfabetos
Puseste a mesa
Deste-me um lugar
E eu acabei por ficar
Não sei que nome te dar
O teu nome verdadeiro
Menina de olhar o mar
Saudades do mundo inteiro
E tu sorrias
E eu fui ficando
Por mais uns dias (nem me lembro quando)
Contei-te histórias
De tudo o que passei
E outras que eu inventei
Juntaste as mãos
À frente do peito
Disseste adeus
Não perdeste o jeito
De me dizer
Que a eternidade
É o lado bom da saudade
Não sei que nome te dar
O teu nome verdadeiro
Menina de olhar o mar
Saudades do mundo inteiro

João Monge/Luís Represas

imagem: Leila Pugnaloni

1 Comment:

Sergio Storino said...

Muito bonito.