quarta-feira, julho 8

Parabéns! Acabou de ganhar um funeral

[clique na imagem para ampliar e ler o regulamento. vale a pena. digo eu]
Toda a gente sabe que morrer custa dinheiro. E há quem não tenha dinheiro para morrer. E nem sequer é preciso o extremo de não não ter dinheiro para viver, quanto mais para morrer! Não. Eu até posso viver com o «pão nosso de cada dia" e não ter dinheiro para o meu funeral. Aliás, posso nem me importar com isso. Posso pensar "que se amanhem", que eu já não estarei cá para resolver o problema. O certo é que não é assunto que nos ocupe espaço nas preocupações diárias. Acredito eu! Aliás, a morte e os seus rituais não são assunto recorrente nas conversas de café. E outras. Nós, ocidentais, não somos educados para morrer, somos treinados para viver. Mas isto dava-me pano para mangas. Ficaria aqui a tarde inteira a debater o assunto. Mas não posso!
Hoje, ao telefone, a minha amiga Dalila, disse-me: vai ver o mail que te mandei. E fui. E depois dos três segundos de incredulidade, pensei: é muito à frente!
Qual viagem às Caraíbas, qual carro, qual vale de compras, qual electrodoméstico? Isso é marketing do século passado! Já deu o que tinha a dar!
A Rádio Santiago, de Guimarães e a Agência Funerária S. Jorge, de Pevidém, são uma dupla visionária, inovadora! [o regulamento é um verdadeiro tratado de antropologia! as questões sociais e outras que aí se levantam...bem! tanto para analisar!]
Ouça a Rádio Santiago e ganhe um FUNERAL; é dos slogans mais fenomenais da história da publicidade! Porque fará história!
A primeira vez que tive acesso à lista de produtos funerários de uma Feira especializada na morte, pensei: de facto há muita coisa aqui à volta. Isto é um negócio com muitas frentes. Há muitas urnas por onde escolher; muitos rituais para fazer. Cada vez tudo mais personalizado; mais talhado conforme a personalidade do morto. A morte tende, cada vez mais, a ser ajustada ao modo de vida. Se o morto gostava de jazz; saia uma urna com jazz dentro! Pode chocar alguns. Mas é assim que funciona! A morte não está imune à economia de mercado. À criatividade, à inovação, enfim, aos instrumentos que permitem aumentar as vendas. Com sucesso.
Eu que até gosto de pensar nestas matérias, de ler sobre o assunto, hoje fiquei surpreendida com este anúncio! A antropologia, o jornalismo, o markteting a burilarem cá dentro! Ah se eu pudesse... mas isso, agora, - como diz a outra - não interessa nada!
Iniciativa arrojada e de potencial efeito perverso!
Juro que se fosse jornalista, rumava já, já a Guimarães!
E de entre as minhas questões, à população local, uma seria certa:
- E então, gostaria de ganhar um funeral?

11 Comments:

Gi said...

As pessoas que põe o cupão na tômbola, se calhar deveriam fazer um testamento, a dizer que caso morram a parti de 10 de Julho pretendem esperar até depois de 18 de Dezembro, para saberem se ganharam um funeral.

Teresa said...

Marta, realmente há coisas que até parecem mentira. Bem sei que os funerais estão pela hora da morte mas... isto é um bocadinho excessivo, não é?
Lendo o regulamento com atenção, há coisas ainda mais assutadoras: o prémio é entregue imediatamente ao vencedor (que vou eu fazer com uma urna em casa? será que dá para fazer de banquinha, ou de floreira?); se não for utilizado no prazo de 3 meses, o prémio reverte para uma família necessitada - isto parece-me bem, senão era muito constrangedor ter de morrer no espaço de 3 meses para não perder o prémio, assim como assim!...
Enfim, a criatividade portuguesa é infinita!
Bjs
Teresa

Zaclis Veiga said...

Adorei. Vou levar a idéia para o Brasil.

Anónimo said...

Que loucura!
Martinha, diz que está a brincar aqui com os teus leitores!!!!!!!!!!
Ricardo CB

Tucha said...

Surpreendente... não deixa de ser uma idéia inovadora. E quem de repente ganha, tem obrigação de utilizar logo o "prêmio"?

O Couto, da Pasta Medicinal said...

Felizmente não possuo qualquer especialização nas áreas do Marketing ou da Publicidade.
Se assim fosse, solicitava o imadiato reingresso...na Escola Primária.
Soberbo !!!

Eduardo Trindade said...

Bah! Custa-me acreditar! Mas, como dizem que há de tudo neste mundo...
Vai ver que, inspirados em tantas promoções que oferecem viagens, resolveram bancar a maior de todas as viagens - para o outro mundo... Macabro mesmo. Eu não faria questão de utilizar o prêmio...

Dalaila said...

Podemos sempre ler, oiça a rádio santiago e vá desta para melhor!

Anónimo said...

Não acredito!!!
Há gente para Tudo!!!!
Gostei Imenso!!!
Tenho vários amigos em Guimarães, vou perguntar se concorreram. Se por acaso não o fizeram, vou incentivá-los...

MB

K said...

Ainda não acredito nos meus olhos! Quase que dá vontade de nem ganhar esse prémio! Não vá o diabo tecelas e deus assobiar para o lado e num prazo 90 dias lá estamos sorridentes num caixão novinho em folha!

Ana said...

Ah, mas esse foi sempre o meu desejo secreto: ser enterrada em PEVIDÉM!
Vou desistir da cremação só para ter esse gosto (póstumo, embora)
:))))

Beijinho