sábado, julho 4

Mais ou menos

Eu hoje estou mais ou menos assim. Só que lá atrás está a Torre dos Clérigos. O rio é de ouro; as pontes são muitas mais; faz um pouco de sol; eu tive de vir trabalhar um bocado. De resto, estou mais ou menos assim. Ou assim. Exactamente assim. Principalmente do lado direito.

13 Comments:

PAS[Ç]SOS said...

Com medo que o céu caia em cima? Quando o sol quer furar as nuvens e lembrar que sobre o rio há pontes, e pontes, e pontes... infindáveis que nunca, nunca, nunca se irão 'quebrar'?

[se é que o lado direito é o da personagem]

Eduardo Trindade said...

Ah, que maravilha, Marta!
Um pouco de nostalgia (de quando assistia Mary Poppins), um tanto de imaginação (a brincar com tua cidade que, agora, eu conheço) e, claro, uma lufada de sonho (para trocar contigo abraços como os de semanas atrás).

Henrique ANTUNES FERREIRA said...

Martinha

Há um ror de tempo que não nos falamos, mas agora voltaste à Travessa. Estou feliz. Tunha saudades tuas. E de te ler aqui, com um mais ou menos de permeio e os Clérigos a espreitar por cima do teu ombro. Bonito.

Porque o tens na coluna da direita do Há Vida, porque entendo que é o maior Poeta cá do burgo, porque devaneio e tu devaneias, deixa-me roubar estes versos.

«Porque eu desejo impossivelmente [o possível,
Porque quero tudo ou um pouco [mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

Qjs

Sofá Amarelo said...

Exactamente como eu ... sentado no amarelo do meu sofá também estou mais ou menos assim,,, ou será assim de outra maneira... talvez seja assim mas desta maneira... quem sabe se há vida para além da Marta... ou Marta para além da vida... um convite para usufruir do amarelo... até já!!!

Tucha said...

Voa companheira pelo imenso céu azul da sua cidade, vê além do possível, vê longe, pensa alto.

catarina said...

de vez em quando, estamos todos "mais ou menos" assim:) que belo instante de nostalgia;)

Ana said...

Então dirige lá o guarda-chuva na direcção do meu cantinho, se queres ver uma coisa...

Beijinho

(bom estares de volta)

C. said...

Hummm... a nostalgia faz parte, há que acolhê-la. É quando lembramos, da vida, as horas suspensas (por pontes. ou mãos. ou gente que nos ficou).
Ou é sem razão, não se explica. O que também é bom.:-)

Bjs

Maria Emília said...

E que bem que está minha amiga, mas entre esse mais e esse menos vai uma distância louca. Gostei.
Um beijinho,
Maria Emília

Gi said...

Então a ti, Marta Poppins, só te posso dizer: supercalifragilisticexpialidocious.

mateo said...

Ai o Douro...
Por sua causa... adouro!
Beijo.

Marta said...

Só não tenho medo que o céu me caia em cima, Passos, porque o céu, caso não saiba, é leve como uma bolacha baunilha :)


Eduardo, querido amigo, um abraço tão grande como o mar que nos une :)

Henrique, não diga nada! Estou sem tempo! Visitar, ainda visito, mas não tenho comentado! Estou cada vez com menos tempo, mas cada vez com mais saudades de me demorar nos blogs que gosto de ler e comentar.

Sofá Amarelo: bem-vindo :)

Ai Tucha, se eu fosse a pensar alto! Alto e bom som :) nem quero imaginar!

Catarina, sim nostalgia. Sem o belo momento ;)

Ana, querida :) OBRIGADA

C. é assim uma espécie de e agora o que é que eu faço?

é isso Maria Emília, uma distância louca :)

Gi: é o título do teu blog a instalar-se na minha vida!

Mateo: só boas causas causa o Douro :)

sintam-se abraçados

Su said...

o mais ou menos................fica sempre bem:))))))))))))))))))))


jocas maradas de risos