segunda-feira, maio 16

Não nos deixeis cair na curiosidade dos outros



Não nos deixeis cair na curiosidade dos outros,

Na piedade dos outros ou, pior, de nós mesmos.

Livrai-nos de sermos eternamente jovens,

Mas também nados-velhos, mortos-vivos.

Livrai-nos sobretudo de nos jactarmos.

Não nos deixeis cair nas ciladas

Daqueles que só se desculpam ou nunca se desculpam.

Não nos deixeis cair na tentação de corrigir a vida

Quando tantas coisas nos morrem

E morrem às nossas mãos ou pela nossa memória.

Livrai-nos de falarmos em nome dos outros,

Dai-nos cada dia a lembrança de também sermos outros

E não nos perdoeis nunca se o esquecermos.


Nuno Rocha Martins, Últimos Poemas, Quasi, 2009

imagem: Jeremy Reed

[obrigada Sofia M]

5 Comments:

Anónimo said...

Olha que oração mais lúcida para se rezar à noite!
bjo
P.

josé luís said...

quase-amén :)

Angélica Lins said...

Isso é praticamente um louvor...
Lindíssimo!

=)

Bípede Falante said...

Que tudo isso entre na minha cabeça e dela não saia!!! :)
bjs

Funes, o memorioso said...

Embora não seja um morto-vivo, eu sou um nado-velho e jacto-me disso. tento corrigir a vida e falo muitas vezes em nome dos outros, sem nunca ceder à tentação de ser outro. Odiaria ser Nuno Rocha Martins.