sexta-feira, maio 20

Filipa Leal na Comunidade de Leitores da Almedina

“A Cidade Líquida e Outras Texturas”, “O Problema de Ser Norte” e a “Inexistência de Eva” (todos da Deriva Editores) são os livros de FILIPA LEAL que vão pairar na tertúlia da Comunidade de Leitores da Almedina do Arrábida Shopping, no próximo sábado, dia 21 de Maio, pelas 17 horas. Nesta sessão do ciclo “Porto de Partida”, vai ser possível assistir, também, à leitura de poemas feita pela própria autora. A entrada é livre.

Filipa Leal encara o Porto como “mais do que um porto de partida” e sim “um porto de chegada.” A escritora explica que nunca partiu “verdadeiramente: escrevi um dia que somos uma espécie de aves com raízes, isto porque nunca partimos verdadeiramente de nós próprios. É aqui que regresso sempre, e também é aqui que regresso quando ando à procura de mim. Como escrevi n’«A Cidade Líquida e Outras Texturas», “Demoro-me/ No ventre desta cidade/ que nenhum navio abandonou/ porque lhe faltou a água para a partida“.
Apesar de nenhum dos livros apresentados na sessão pretender ser um “retrato do Porto”, Filipa Leal confessa que “nele encontramos certamente as ruas de que sou feita quando ele me fez”.
A também jornalista deixa um desafio a todos aqueles que queiram participar na sessão: ela servirá para mostrar “a poesia como lugar onde nos podemos reunir”.
NOTA BIOGRÁFICA
Filipa Leal (Porto, 1979) formou-se em Jornalismo na Universidade de Westminster, Londres, e concluiu o Mestrado em Literatura (Estudos Portugueses e Brasileiros) na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Fez uma passagem pela Rádio Nova, e foi editora do suplemento «Das Artes, Das Letras» no jornal O Primeiro de Janeiro. Actualmente, é jornalista no Diário Câmara Clara (RTP2) e colaboradora da Casa Fernando Pessoa. Depois de um ano de formação no Balleteatro do Porto, começou a participar, em 2003, em espectáculos de poesia no Teatro do Campo Alegre (Porto), ciclo Quintas de Leitura, e desde então tem feito leituras em diversos locais do país (Centro Cultural de Belém, Casa das Artes de Famalicão, Palácio de Belém, Fundação Eugénio de Andrade, entre outros). Publicou vários livros de poesia, de que se destaca «A Cidade Líquida e Outras Texturas» (publicado também em Espanha, pela editora Sequitur) e «A Inexistência de Eva» (Deriva editores). Está representada em antologias em Itália, Croácia, Colômbia e Galiza, e um dos seus poemas foi musicado pelo Bando dos Gambozinos para o álbum «Com Quatro Pedras na Mão». Foi finalista do Prémio Literário Casino da Póvoa (Correntes d’Escritas) em 2011, com o livro «A Inexistência de Eva».

Desviado, na íntegra, DAQUI

3 Comments:

Bípede Falante said...

Marta, me diz uma coisa, você que lê bastante: eu ontem vi livros de uma escritora chamada Ines Pedrosa. Você já leu alguma coisa dela? Vale a pena???
beijos :)

Marta said...

vale sim!

de todos, recomendo
Nas tuas Mãos
Fazes-me Falta
A Eternidade e o Desejo
Fica Comigo Esta Noite - contos

releio, sempre com muito gosto, um livro que reúne as suas crónicas...

...tenho na mesinha de cabeceira uma antologia de poesia portuguesa - Poemas de Amor - editada pela Dom Quixote que organizou e prefaciou

adoro a Fotobiografia de José Cardoso Pires, pela sua mão...

não li, mas quero ler
"No Coração do Brasil-seis cartas de viagem ao padre António Vieira"

bjos :)

Bípede Falante said...

Que bom! Então vou comprar alguns títulos. Na livraria, havia vários. Ela me pareceu boa, mas como os livros são caros, resolvi não arriscar antes de ter uma opinião boa. Obrigada, Marta :)
Beijoss.
ps. Sabe aquela coisa que vc me falou, nunca chegou nada lá pq eu teria sabido.