sexta-feira, outubro 2

É ter cá dentro um astro que flameja


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!
Florbela Espanca
imagem: Google

19 Comments:

Dalaila said...

a mais sincera homenagem do que é ser poea... é isso mesmo, é não ter chão para agarrar...

beijinho

João Menéres said...

Escolheste muito bem a imagem que ilustra este sempre tão alto soneto da Florbela, como sempre sabes fazer com toda a maestria.

Eu, se fosse à F.E., talvez preferisse intitulá-lo de

"E é amar-te, assim, perdidamente..."

Maravilha este teu HÁ VIDA EM MARTA, perdidamente o digo com um beijo aqui pousado.

Claudia Sousa Dias said...

e como gosto de o cantar!


csd

Marta said...

Dalaila, querida, é uma eterna homenagem aos poetas, ao amor, ao que flameja :)

Estimado João,

obrigada pelas palavras, sempre tão amáveis.

CSD: cantemos, minha linda, cantemos :)

beijos

Voar sem Hasas said...

Poeta é ser homem, é ser gente, é ser especial.
O poeta é o mágico dos sentidos, dá-lhes forma, significado, dá-lhes vida.
O poeta é o escrivão das almas, passa para o papel emoções,
sentimentos que a gente sente, mas que não sabe dizer que sente...

Mas a gente sabe que ama.....

Um beijo com amor, MARTA

Zaclis Veiga said...

(suspiro)

Luz said...

Quando hoje abri esta página e vi este poema que me acompanha desde sempre, inspirei bem fundo e depois lentamente expirei...
Lindo, belo, sem palavras...
Parabéns pela escolha do poema e da foto :)

heretico said...

"morder como quem ama". belo.

um dos maiores sonetos em lingua portuguesa.

beijos

Sergio Storino said...

Oi Marta,

Estou retribuindo a visita que você fez ao meu blog. Agradeço os comentários que você deixou lá.
Cheguei de Portugal ontem. Foi a primeira vez que estive aí. Adorei o pouco que vi.

Parabéns pelo sucesso do seu blog!

entremares said...

Invejo estas criaturas que com tijolos imperfeitos, sem mapas, constroem castelos de fadas.

Chamem-lhes poetas, não me importo.
Mas repito o João.

" E é amar-te, assim, perdidamente".

Caramba... poderá dizer-se algo maior?

Um óptimo fim de semana para ti...
Rolando

El Viejo @gustín said...

...
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!
...

Hermoso poema Marta

1 beso desde el fn del mundo

. intemporal . paulo . said...

. ser poeta

é ser Florbela .

. que da Alma é tanta . tanta .

. "amei.de.amar" .

. o momento . perene .

Henrique ANTUNES FERREIRA said...

Martinha

Palavra de honra que também há vida na TRAVESSA!!!! Vai lá e comprovarás que é verdade. Tenho muitas saudades de tu (ti?)

Sou um apaixonado pela Florbela. Sem i que estoutra é a do Yannik... A Espanca, natural e obviamente. Até já escrevi numa revista espanhola um texto sobre essa grande Senhora das Letras Portuguesas.

E também era um fã dos Trovante. Do Represas a só não digo o mesmo. Mas, a opção foi dele. E por aqui me fico, não sem te voltar a dizer que o teu Há Vida em Marta continua muito interessante (pelo que te re-dou os parabéns) mas que também na Travessa há vida.

Qjs

cduxa said...

Lindo poema, sempre tão actual.
Foto bem escolhida.

Anónimo said...

Sim, sim, o poema é lindo, a fotografia é linda, a música do post abaixo é linda mas... porque é que não se põe cá nada desde sábado, hummm?
Bj,
Xana;)

Anónimo said...

Sim, Sim, Marta, porque andas tão baldas? Precisamos de alimento para a alma!

Leigo

Angélica Lins said...

Aqui estou mais uma vez em seu iluminado lugar... =)
Hoje, criei um selo do meu blog para presentiar aos blogs que sigo e que me causam emoção. É claro que o seu está inserido nesse contexto.Passa lá pra buscar.

Beijos...

pin gente said...

gosto muito deste soneto
se não conheces ouve, a versão dos "ala dos namorados" com a sara tavares... é, na minha opinião, fabulosa!
um beijo
luísa

Alan Felipe said...

Sou um grande fã de Frorbella e ela me inspira muito. Por isso eu peço: se poderias publicar um poema de minha autoria no seu blog, só para ver o quê os outros dizem. Se me concederes este pedido serei muito grato, obrigado. email: alanfelipe227@hotmail.com