terça-feira, outubro 13

é triste...

eu gostava dela. assim como quem simpatiza com uma figura pública. é!

19 Comments:

TERESA SANTOS said...

Tens razão. É triste mesmo. Aprendemos a respeitar os brasileiros e o Brasil e, depois, somos confrontados com esta visão que alguns têm de nós.

Mas, e como diz o provérbio, "por morrer uma andorinha não acaba a Primavera.

Beijinho e esqueçamos este triste episódio que só envergonha(?!) quem o protagoniza.

Claudia Sousa Dias said...

não tenho som aqui neste computador, mas dá-me a sensação de que ela não foi estava aser propriamente simpática, mesmo antes de cuspir na fonte...

também a postura corporal dela no programa deixa muito a desejar, com os pés em cima do sofá e as pernas abertas...

mas vamos ver o que ela diz...

csd

João Menéres said...

Tão lamentável a "gracinha" dessa menina que até é preferível ignorar.
O Brasil não é só esse bocado de ignorante e mal comportada garota !!!

Anónimo said...

Uma vergonha,para quem faz esta figureta!!!!
MB

Leonardo B. said...

Como humorista, é deprimente... quanto ao resto, das coisas só têm a importância que lhes damos! E francamente, nem sabia que a dita Maitê se dedicava a coisas "mais eruditas", como opinar sobre o que nem se deu ao trabalho de conhecer (ai, mal universal mesmo...). Mas como parto do presuposto que o meu transtlântico quintal, não usa saia justa, nem me passa pela cabeça alimentar polémicas... neste caso o melhor remédio mesmo é aquele, como se chama... ignorantrix!

Um imenso abraço

Leonardo B.
Bizarril

(era bom que a dita senhora, pelo menos pedisse, sei lá... desculpa a uma multidão de "fans", que desapontou por aqui... a mim não, mas pelo menos a algumas mulheres que tenho em muita conta!)

nefertiti said...

Tadita da moça, não disse nada de jeito.

Clê said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clê said...

É mesmo de se lamentar tal atitude espero que entendam que não é uma opinião partilhada por nós.Outro dia já reprovei essa 'famosa' qdo em um programa de televisão aqui em nosso país,sou brasileira, ela afirmou que dava número de telefone errado para as pessoas que pediam, por não querer receber ligações.Mal-educada e arrogante.Fazer piadinha aí em vosso país é desrespeito total.Peço desculpas por ela, que só pq chegou aonde chegou se acha no direito de falar qualquer coisa e demonstrar preconceito, o que deveria ser ao contrário, pois tem que se preocupar com os exemplos, já que é formadora de opinião, trabalhando em um veículo visto por tantas pessoas.Espero que isso não mais aconteça.Já esta passando a hora de entendermos que existem culturas diferentes e que a paz começa no dia que entendermos isso.
Envergonhada estou.

Maldonado said...

Por acaso desconhecia esta história e só soube dela ontem, por meio do blog duma comentadora do meu canto.

1. Não se pode esperar muito dum programa de gaja, concebido para um certo público feminino imaturo e desprovido de qualquer sentido crítico, servindo apenas para ganhar audiências e não precisando de ser inteligente nem culto, bastando apenas ser popular.

2. Quanto à atitude de Maitê Proença, pessoalmente não acho que seja grave, pois há humoristas da nossa praça que também fazem o mesmo e a malta até se ri com as suas larachas…
Enfim, o nosso orgulho só fica ferido quando o sarcasmo é brasileiro, mas se for nacional, ah e tal até dizem grandes verdades e rebéubéu pardais ao ninho…
Se tivesse sido o Gato Fedorento a gozar, decerto que tê-lo-iam aplaudido…

3. Não gostei do humor oco dela, não por achincalhar o nosso país, mas pelo facto de ser demasiado básico. Todavia, não faço disto um drama à PNR…

Voar sem Hasas said...

luisa

Muitos actores, saiem do ensino básico para a televisão.... levam anos debitando diálogos pensados para eles.... que se esquecem de pensar o que dizem........
aí,, ao falar sem rede... caiu..... e morreu
POIS, MORREU

sonja valentina said...

de facto, lamentável. mas vale o que vale e na medida da importância que lhe damos. desvalorizar é o melhor!

Claudia Sousa Dias said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claudia Sousa Dias said...

Coitadinha da Maitê...fizeram-lhe uma lobotomia cerebral!

já agora posso sugerir-lhe directamente urinar no acervo do Museu da Inquisição de Santiago de Compostela.

E que tal defecar ali nas salinhas das câmaras de gás em Auschwitz?!

Provavelmente também é apologista da destruição do Museu do Vaticano onde viveram os Bórgia ou então do Palácio dos Médicis (afinal eram todos envenenadores não é?

pois devemos louvar esta implacável juíza da História.

Gostava de dar uma vista de olhos nalgumas favelas do Brasil, para ver se são mais sofisticadas do que as favelas portuguesas. Afinal, como dizia Lídia Jorge em "A Costa dos Murmúrios" o nível de vida de um país vê-se pelas condições de vida existentes nos bairros mais pobres.

E o nível de segurança desse mesmo país pela sofisticação dos sistemas de segurança nos bairros dos ricos, certo?

Também deveríamos, pela mesma ordem de ideias, de dar uma espreitadela aos bairros chiques do Rio de Janeiro. Só para confirmar...

A propósito, o sotaque português da Maitê é fugir...nisso podemos elogiar os portugueses, temos ouvido sensível às línguas.

Há quem tenha essa mesma sensibilidade noutras partes do corpo.

Acho que a Maitê deveria ter umas aulinhas de informática.

Ou comprar um chip para internet portátil...às vezes os wireless sofrem interferências, mas penso que não é só em Portugal.

Acho, piada a quem tenha mau humor, mas só se for um mau humor inteligente, levemente sádico,) como o caso dos portuguesíssimos Gatos (perdoem o chauvinismo a esta feminista convicta. Mas a inteligência não parece ser realmente o forte desta diva...

JOSÉ RIBEIRO MARTO said...

Nunca pensei que ela fosse tão burra ! Preconcito meu !
È mesmo tudo , mesmo mau , muito mau . Até mal informada está , quanto aos anos de ditadura !
No fundo é um preconceito recalcado pelo tempo , que aflora em determinadas circunsTâncias ...
cordialmente
_______ JRMARTO

Zaclis Veiga said...

Só posso dizer que estou envergonhada.
:(

Funes, o memorioso said...

Estou com Maldonado. Isto não tem importância nenhuma e é igualzinho ao que por aí se faz todos os dias. É medíocre? Pois é! Mas alguém é capaz de me recordar um programa de televisão que não seja de uma mediocridade rastejante?
Eu, para além dos Monty Python's, só me lembro de um. Chamava-se "the ascent of man"

Carlos Azevedo said...

Acho que não vale a pena deixar de gostar dela por causa disto, Marta. São apenas uns minutos de indigência intelectual, o que, diga-se de passagem, não escasseia na televisão, brasileira ou portuguesa.

(O pior é verificar que o objectivo era ter piada. Sabe Deus que, com os pretextos que a nossa lusa pátria fornece, só mesmo uma manifesta falta de jeito e de ideias impede a realização de algo divertido!)

Dalaila said...

Quem é Maitê????? só isso.

jamesp. said...

Cara Marta,Maitê foi grosseira e provinciana sim.Mas não entendo essa ênfase em se falar das favelas do Brasil-alguém aqui já foi a alguma?ouvir falar é fácil dizer,ver na tv também.E é lamentável o nível dos comentários nos jornais portugueses-paisinho de terceiro mundo,favelados,prostitutas brasileiras,etc.Eu como neto de portugueses me pergunto,se o Brasil,que acolheu milhões de portugueses(porque precisavam sair de seu país)nunca teve esses nível d discurso,porque alguns portugueses insistem em tomar Maitê pelos brasileiros.
Em tempo,não creio que países de terceiro mundo tenham a nona economia do mundo nem organizem olimpiadas.
Muito obrigado.