segunda-feira, maio 17

Se alguém me perguntar


Se alguém me perguntar, hei-de dizer que sim, que foi

verdade - que não amei ninguém depois de ti nem

o meu corpo procurou nunca mais outro incêndio

que não fosse a memória de um instante junto

do teu corpo; e que deixei de ler quando partiste

por não suportar as palavras maiores longe da tua boca;

e que tranquei os livros na despensa e tranquei a despensa,

acreditando que, se não me alimentasse, acabaria

por sofrer de uma doença menor do que a saudade, mas

a que os outros, pelo menos, não chamariam loucura.

[...]

Maria do Rosário Pedreira in O Canto do Vento nos Ciprestes

13 Comments:

Claudia Sousa Dias said...

LINDA!

tu e ela.


Um beijo, minha querida!


csd

YeuxdeFemme said...

Citação muito interessante. :)
A imagem é fabulosa.

Bípede Falante said...

Já usei essa imagem no meu blog. Acho impressionantemente rica, aberta a muitas possibilidades. O texto que você escolheu serviu como a uma luva. Muito bacana!

P.S. Mudando de assunto, você viu que o Storino, do Papo Cultural, encerrou o blog?

Zaclis Veiga said...

Lindo, lindo.
Se não hovesse dor, haveria amor?
beijos

heretico said...

na lucidez da loucura.

belissimo texto.

beijo

Mafalda Branco said...

Belíssimo, o texto e a imagem. E o sentimento. E o teu olhar, minha linda!
Obrigada por tanta coisa boa e bonita que vais partilhando!

Maria Regina said...

Lindo o texto!
Suave...
Beijos

Funes, o memorioso said...

Será que algum dos comentadores anteriores é capaz de me explicar onde está a proclamada beleza deste texto?
É que ela parece-me apenas uma medonha banalidade, completamente vazio do mais pequeno sopro de uma musa inspiradora.

Funes, o memorioso said...

No comentário anterior, não era "ela" que eu queria dizer. Era "ele", o texto.

Marta said...

Professor Funes,

já lhe disse que estava morta de saudades suas?
e dos seus comentários absolutamente divinos
ou pura e simplesmente patetas,
como este?

Anónimo said...

Eu gosto do Funes!!!!
anima o Blog
Bj
MB

Funes, o memorioso said...

Julgo que a MB no comentário anterior pretendia dizer que eu lhe faço lembrar estes dois
É um elogio. :)

Anónimo said...

Maria Benedita, como és capaz?

Professor Funes:
odeio que me faça rir à gargalhada quando o país está como está e, principalmente, quando a sua sensibilidade de elefante em loja de porcelanas é o que é...
e eu ando a correr.

Marta