quinta-feira, março 18

Pigmalião e Galateia


«O Teatro Oficina, em colaboração com o Centro de Computação Gráfica da Universidade do Minho, promove este projecto de criação, onde arte e ciência, teatro e tecnologia se unem para contar uma história, transformando a ficção científica de ontem no modo de representar hoje a realidade. Três cidades unem-se para contar uma história, onde recorrendo à literatura que construiu a civilização que somos hoje, fazemos um texto novo, que fala exactamente daquilo que nos interessa no teatro, a criação do humano.
Este espectáculo é uma variação sobre a história de Pigmalião e Galateia, contada pelo Ovídio nas “Metamorfoses”: o escultor solitário e esteta que constrói uma estátua da mulher perfeita, se apaixona por ela, e a vê depois transformada numa mulher real. Através do mito de Pigmalião é explorada a ideia da “invenção do feminino”. Partindo-se do Ovídio, e das várias traduções portuguesas e estrangeiras, fazendo da estátua um programa de computador e da Galateia um holograma. Já com Galateia materializada em pessoa, contesta-se a ideia de “mulher perfeita” perguntando-se porque é que a mulher há-de continuar a ser “inventada” pelo homem, em vez de ter o mesmo grau de realidade do homem. Do lirismo da homenagem ao mito, se caminhará para a crítica e ironia.»
Texto: Pedro Mexia Encenação: Marcos Barbosa Cenografia: Ricardo Preto Figurinos: Susana Abreu Desenho de luz: Pedro Carvalho Som e música: Sérgio Delgado Elenco: Diana Sá e Emílio Gomes Produção executiva: Teatro Oficina
A ver no Theatro Circo, em Braga. Hoje, amanhã e depois. Mais informação AQUI.

0 Comments: