quinta-feira, novembro 3

...pois é...

4 Comments:

Patti said...

Oh se é!

Funes, o memorioso said...

Foi assim que eu passei, sozinho, a noite de fim de ano, de 1989 para 1990, no meio de um campo de milho em Pardilhó, fechado dentro do carro, com um cão a ladrar-me aos pneus.
Perder-se é só perder-se. Não é mais nada. Quando perder-se nos leva a algum lado, não dizemos que nos perdemos, dizemos que descobrimos. Mas, evidentemente, a Clarice nunca passou o ano sozinha num campo de milho de Pardilhó, com a namorada à espera na festa do Porto, num tempo em que não havia telemóveis, a não ser para os muito ricos. Por isso, escreve tonterias.

Marta said...

querido, Prof. Funes que saudades das suas tonterias!

Clarice é IMENSA! e perdeu-se em lugares bem mais estranhos... do que um banal campo de milho em Pardilhó!

bjo :)

Marta said...

pois é Patti!