quarta-feira, setembro 7

Vou-me sentar aqui



Vou-me sentar aqui, respirar até doer

as coisas possíveis nunca reais,

aprender, nó a nó, como te soltas;

vamos cair num poço, sem

bússola e pára-quedas, vamos ser o primeiro

... amor a dois no mundo.


António Franco Alexandre, in Quatro Caprichos, Assírio &Alvim

imagem: Giovani Orlandi

6 Comments:

Anónimo said...

Sempre que me sento aqui
Olhando a beira-cais,
Só,
Maleta de sonhos na mão,
Sensibilidade à flor da água
em que a paisagem é reflexo
e todas as viagens começam,
hesito ...
Eugénio, afinal não tinhas razão!
As palavras não "estão gastas, envelhecidas, envilecidas"
e o silêncio dos poetas ecoa na alma ...
por elas!

Obrigado Marta

PMF

josé luís said...

...issíssimo, marta ;)

Anónimo said...

Estavas linda de azul e branco, morena e de cabelo apanhado. Estava com saudades tuas e ver-te sem contar foi muito bom!
Pega lá música e outro beijo
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=r6V5DXk6TbA

Marta said...

PMF

[não conheço a sigla...]

obrigada, :)

Marta said...

beijinho, José Luís :)

Marta said...

tb gostei do nosso encontro, a correr!
obg pela música :)))