domingo, setembro 11

Erros capitais de leitura


Julgamos que pelo fato de aprendermos a ler desde muito cedo, a juntar as letras, a formar palavras que juntamos a outras e a entender palavras e frases, que sabemos ler qualquer coisa. Pois nada mais errado. Para tudo é necessário uma preparação específica e a leitura não é menos do que tudo o resto.
Sempre fico fascinado quando qualquer pessoa julga que pode apreciar uma peça de teatro, um poema como qualquer outro, mas sabe que não pode correr a maratona e, ainda que a consiga correr, sabe que não a consegue correr com os melhores. Ou seja, quando se trata do corpo, aceitamos facilmente que outros podem ser melhores do que nós, porque se prepararam para isso, mas quando se trata de ler um texto, de apreciar uma obra de arte, não.

Há textos que oferecem ao leitor a mesma resistência que a maratona. Por exemplo, a Crítica da Razão Pura, de Kant, a Fenomenologia do Espírito, de Hegel, o Ser e Tempo, de Heidegger. O leitor aqui chegado a estas páginas, ou já fez muito treino, e treino específico, ou não vai conseguir ultrapassar a primeira página, quanto mais os 42 km de livro que tem pela frente.

Mas não se julgue que é pelo fato de se tratar de textos filosóficos, de textos de filosofia, que o leitor encontra essa resistência e assume a sua incapacidade. Nem sequer de ser de filosofia alemã, pois o leitor assim que chega às páginas de Nietzsche, mesmo que nunca tenha corrido uma página de filosofia sequer, julga-se apto a lançar-se estrada a fora até ao fim do texto. O mesmo se passa com Platão, por exemplo. E também com o chamado segundo Wittgenstein. Se isto é assim com os filósofos, por maioria de razão será com poetas e escritores.

Esses, então, não oferecem resistência (com exceção de alguns casos raros). Assim, o leitor diante da maratona do poema ou do romance lança-se estrada fora e não admite que haja algum outro leitor mais preparado do que ele. Nem pensar! Aliás, é porque ele pensa, que não admite que outro pense melhor do que ele.

Depois abundam essas teorias de trazer pelos cafés e pelos bares: não há interpretações melhores, há interpretações. Lá está o iniciado na arte de pôr o pé na estrada a não admitir que alguém que já fez milhares de quilômetros possa correr melhor do que ele. Nem pensar! Evidentemente, o tempo de vôo não é garante de melhor leitura. Mas a falta de tempo de vôo deveria conferir mais humildade. Para além do tempo de vôo, do tempo de preparação, dos muitos quilômetros percorridos, há ainda um outro fator que os leitores esquecem com freqüência: o talento.

O talento, sim. Pois ninguém duvida que o Cristiano Ronaldo tem mais talento do que ele, sentado no sofá a assistir ao jogo. Aliás, mesmo 90% dos jogadores de futebol, que treinam tanto quanto Cristiano Ronaldo não têm o mesmo talento e nós admitimos “fácil”. Ora, cá estamos de novo diante do corpo. Desta feita do talento do corpo (e não só, mas é através do corpo). Mas quem é que aceita que o leitor ao seu lado ou à sua frente tenha mais talento para ler do que ele? Quem é que diz: “cara, você é show de bola a interpretar um texto! Você é mesmo bom, gostava de ler como você.” Esta fala nunca deve ter sequer existido e, se existiu, soou tão estranho que não deve ter sido repetida.

Que leva o humano a não aceitar que alguém leia melhor do que ele, quando facilmente aceita que alguém seja melhor do que ele a correr a maratona ou a jogar futebol? De onde vem esta idéia pré-concebida de que somos todos iguais na leitura?

Outro erro capital da leitura é julgar que, sendo capaz de ler bem uns determinados autores, somos capazes de ler bem todos os autores. Errado. É como se num jogo de futebol Cristiano Ronaldo fosse igualmente fera defendendo as redes do gol (baliza) ou comandado a zaga (defesa).

Vocês julgam que um excelente leitor de Gabriel García Márquez será um bom leitor de Fernando Pessoa, por exemplo, e vice versa? A resposta só pode ser um redondo e verdadeiro não. Imaginemos um leitor de Cem Anos de Solidão e um leitor de Livro do Desassossego. Ambos lêem muito bem cada um dos seus livros, jogam muito bem a cada uma das suas posições no gramado, seriam igualmente feras se trocassem de livro, de posição?

Poderia até acontecer, mas seria tão improvável quanto encontrarmos um goleiro que jogasse na frente tão bem quanto o Cristiano Ronaldo. Porquê? Pela simples razão que se trata de galáxias distantes. Um e outro livros não são planetas diferentes, são galáxias diferentes. Não está aqui em causa a qualidade literária de cada um deles, que não discuto sequer. O que está em causa é a qualidade extra-literária, a qualidade para além da escrita (partindo do princípio que são ambos textos excelsos do ponto de vista literário). O humano que acede a uma exemplar leitura do livro de Fernando Pessoa muito dificilmente fará uma leitura igualmente exemplar do livro do escritor colombiano; e o contrário ainda será mais difícil.

A dificuldade está no universo que se abre diante do leitor. O texto implica a vida, num e noutro caso. Mas as vidas implicadas são diferentes. Eu não consigo imaginar um homem casado, com filhos, de bem com sua vida, chegando em casa depois de um dia de trabalho, ajudar os filhos, no jantar, falar com a mulher, eventualmente fazer amor com ela e, depois, pôr-se a ler Livro do Desassossego. Desculpem, mas não consigo. Não consigo imaginar este homem a entrar no texto do Pessoa e conseguir respirar, com tanta solidão, tanto solipsismo, tanto cinismo. Não é que não possa ler, mas não vai ler bem, seguramente; é pôr o Cristiano Ronaldo no centro da zaga, marcando o centro-avante.

Pelo contrário, já imagino esse mesmo homem a ler bem Cem Anos de Solidão. Não há aqui um diferencial de qualidade literária, repito, insisto, mas de mundividência. Quem é que já não sentiu, aos 18, 19, 20 anos, um medo inexplicável pela coluna acima ao ler esse livro do Pessoa? E porquê? Porque usualmente nessas idades o humano ainda não está casado e com filhos, tem ainda as possibilidades todas em aberto, e ao confrontar-se com aquele texto sente dentro de si a possibilidade de isso vir a ser a sua vida. Isso assusta-o e fascina-o.

Mas o homem, que vimos atrás, que chega a casa depois do trabalho para a mulher e filhos, não sente mais isso. Mas pode muito bem sentir e compreender o livro de Gabriel García Márquez, pois este livro, independentemente da sua qualidade literária, não choca de frente com a sua vida. Por outro lado, o homem que não está mais casado ou que nunca esteve, sente isso como aquilo em que foi parar a sua vida.

Ler não é ler. Ler é viver.

Paulo José Miranda

imagem: Almada Negreiros

14 Comments:

sem-se-ver said...

(facto; é dos tais casos em que se mantém a consoante, dado que é pronunciada. desc :)

Anónimo said...

no Brasil escreve-se "fato"... pode estar errado, mas é como os brasileiros escrevem :)

Marta said...

Está certo, sem-se-ver, o texto está escrito assim mesmo!

Anónimo said...

Essa do faCto
faz lembrar uma piada de portugueses
que contamos aqui no Brasil.

Uma moça muito bonita e elegante entra num salão
e uma italiana diz: que sapatos bonitos!
Uma francesa diz: que vestido mais charmoso!!!
Uma brasileira diz: vai ser bonita assim na caixa prego!...
Uma portuguesa diz: tem uma malha na meia!

Paula said...

Adorei o texto e concordo plenamente. Nem toda a gente é igual na leitura, isto é um facto :P
Abraço!

Anónimo said...

Marta, querida

ADOREI o texto do Paulo José Miranda que presumo, seja um autor brasileiro e ADOREI a anedota do anónimo brasileiro
lolo

Sempre muito boas as tuas escolhas, minha amiga.
P:
de portuguesa, também ;)

sem-se-ver said...

pois, caro anónimo brasileiro,

daí a dupla grafia - fato em brasileiro, pois não fazeis a distinção fonética entre os dois vocábulos; facto para nós, pois que a fazemos :)

ora, sabendo eu que o txt é de um brasileiro, cuidei no entanto advertir a nossa querida marta, pois que o acordo ortográfico levanta muitas dúvidas por cá; por aí, não?

(outro - ou mesmo - anónimo - a malha que encontrei foi um gesto de consideração e de amizade pela marta; algo que, quem sabe, nenhuma das outras da anedota, muito elogiosas, o estariam a ser - sinceras :)

morte assistida said...
Este comentário foi removido pelo autor.
morte assistida said...

Muito obrigado, Marta!
E muito obrigado a todos pelos comentários...

Acerca do acordo
vou lembrar uma antiga entrevista na TV, em Portugal,
do José Saramago:
"Quando era criança escrevia mãe com "a" e "i" (mai). Mais tarde me obrigaram a escrever mae com "a" e "e" sem til. E a mãe era a mesma. Depois obrigaram-me a escrever mãe como hoje se escreve e a mãe continuou sendo a mesma. Se hoje me obrigarem a escrever de outro modo, eu escrevo, e a mãe só não é a mesma porque já morreu."

Detalhe:
não recordo bem as grafias das passagens, mas foram 3 grafias diferentes que ele referiu.

Sinceramente,
incomoda-me mais o uso da gramática do que a grafia das palavras, mas não condeno quem luta tanto contra a mudança da grafia.

Por outro lado,
aqui no Brasil não se dá muita importância a isso, realmente.

Uma vez mais,
bem haja!
Paulo José Miranda

Anónimo said...

"Ler fornece ao espírito materiais para o conhecimento, mas só o pensar faz nosso o que lemos." (E eu acrescentaria a sensibilidade)
John Locke (1632-1704)

Abraços a todos
Obrigado Marta por mais esta partilha.

PMF

Claudia Sousa Dias said...

uau! há forma de eu poder +artilhar este texto no facebook?

morte assistida said...

Olá, Claúdia!
Pode partilhar à vontade.
Muito obrigado.
Paulo José Miranda

Marta said...

olá a todos :)

sem-se-ver, muito obrigada pelo cuidado; sei que a intenção foi a melhor.

obrigada, também, ao Paulo José Mirando por ter permitido a edição do texto, aqui! gostei muitíssimo de o ler, aliás, como a outros textos de sua autoria.

o importante, do meu ponto de vista, é que se tenha partilhado esta reflexão, tão bem tecida, sobre a leitura.

sem-se-ver said...

ora,
(nao resisto)
conheço o paulo josé miranda desde tempos imemoriais... (2006).
é um muy interessante autor e escriba :)