domingo, novembro 15

Mad Girl's Love Song


I shut my eyes and all the world drops dead;

I lift my lids and all is born again.

(I think I made you up inside my head.)


The stars go waltzing out in blue and red,

And arbitrary blackness gallops in:

I shut my eyes and all the world drops dead.


I dreamed that you bewitched me into bed

And sung me moon-struck, kissed me quite insane.

(I think I made you up inside my head.)


God topples from the sky, hell's fires fade:

Exit seraphim and Satan's men:

I shut my eyes and all the world drops dead.


I dreamed that you bewitched me into bed

And sung me moon-struck, kissed me quite insane.

(I think I made you up inside my head.)


God topples from the sky, hell's fires fade:

Exit seraphim and Satan's men:

I shut my eyes and all the world drops dead.


I fancied you'd return the way you said,

But I grow old and I forget your name.

(I think I made you up inside my head.)


I should have loved a thunderbird instead;

At least when spring comes they roar back again.

I shut my eyes and all the world drops dead.

(I think I made you up inside my head.)


Cerro os olhos e cai morto o mundo inteiro

Ergo as pálpebras e tudo volta a renascer

(Acho que te criei no interior da minha mente)


Saem valsando as estrelas, vermelhas e azuis,

Entra a galope a arbitrária escuridão:

Cerro os olhos e cai morto o mundo inteiro.


Enfeitiçaste-me, em sonhos, para a cama,

Cantaste-me para a loucura; beijaste-me para a insanidade.

(Acho que te criei no interior de minha mente)


Tomba Deus das alturas; abranda-se o fogo do inferno:

Retiram-se os serafins e os homens de Satã:

Cerro os olhos e cai morto o mundo inteiro.


Imaginei que voltarias como prometeste

Envelheço, porém, e esqueço-me do teu nome.

(Acho que te criei no interior de minha mente)


Deveria, em teu lugar, ter amado um falcão

Pelo menos, com a primavera, retornam com estrondo

Cerro os olhos e cai morto o mundo inteiro:

(Acho que te criei no interior de minha mente.)


Sylvia Plath

translated by Maria Luíza Nogueira in A REDOMA DE CRISTAL, pag. 225, Ed. Artenova, Brazil, 1971
imagem: Leila Pugnaloni

4 Comments:

.Leonardo B. said...

amiga marta... quem mais?

aqui houve submarino ao fundo na primeira coordenada! Não houvessem mais linguagens no mundo, pelo menos na da poesia nos entenderíamos... sylvia plath e ann sexton, são muito culpadas deste vicio terrível de amar incondicionalmente a palavra!

um imenso abraço
abraçimenso

Leonardo B.

|ia jurar que há uma tradução muito bonita que é mais ou menos "fecho os olhos e o mundo inteiro morre de súbito; quando os reabro olhos, tudo nasce novamente"... mas não vou apostar, porque o original por si fala. obrigado por este pequeno conforto... e para mais, que neste lado escuto a banda sonora do The Whale Rider da Lisa Gerrard; perfeito, perfeito!|

Andreia said...

Estou a visitar o seu blog pela primeiríssima vez, e gostei muito, adorei o titulo!

Claudia Sousa Dias said...

belo.


csd

hg said...

lindo... Vou guardá-lo.