sexta-feira, julho 9

A voz de Matilde

foi em Março, Abril. não estou certa. para mim foi ontem. tem a ver com um projecto que tenho em mãos. marquei o número fixo. 21 e mais uns tantos dígitos.
-boa tarde. eu gostava, se possível, de falar com Matilde Rosa Araújo. se possível...claro.
imagino que...
- sou eu.
e eu, em segundos, recordei O Palhaço Verde inteiro. os seus olhos brilhantes e o seu coração de ouro. mas mais viva, a indumentaria toda do palhaço: o casaco, as calças, as luvas, os sapatos. o chapéu da cor do nome dele. recordei tudo. mas escrito pela Matilde.
que é muito mais e maior e mais profundo.
e mais intenso e mais colorido e mais verdadeiro e mais simples.
e eu disse-lhe,
-obrigada querida Matilde, pelo Palhaço Verde. mil obrigadas. obrigada pelos poemas. pelo Mar.
obrigada.
e Matilde, disse-me,
- eu é que lhe agradeço. obrigada eu.
[disse. juro que disse. exactamente assim.
como se o mundo estivesse do avesso, completamente do avesso, Matilde, agradeceu]
e disse isto em voz de fada.
baixinho. muito baixinho.
assim como as fadas falam quando estão quase, quase a adormecer.

imagem: ilustração de Maria Keil

6 Comments:

TERESA SANTOS said...

As verdadeiras fadas deste mundo (tão poucas, cada vez menos!) são assim: simples, capazes de virar o "mundo do avesso".
Sem dúvida que a sensibilidade e a ternura da Matilde Rosa Araújo acompanharão, vida fora, todos aqueles que tiveram a dita de conhecer a sua obra.

(...)
As minhas vinte meninas
Dormiam quentes num ninho
Feito de amor e de terra,
Feito de lama e carinho.
(...)

Lembras-te?
Beijinho.

K said...

Como consegues criar esta sensação de arrepio cada vez que leio algo teu?

Beijos

Marta said...

lembro sim, Teresa. Claro que lembro :)
bjo


K, querido K

as temperaturas baixaram.
é isso :):) :)

bjo

Carlos Azevedo said...

Subscrevo as palavras da Teresa Santos: «As verdadeiras fadas deste mundo (tão poucas, cada vez menos!) são assim: simples, capazes de virar o "mundo do avesso".» Nem mais!

Claudia Sousa Dias said...

quero.


estou vidrada no presente que me ofereceste pelo aniversário. Dificil parar de ler.

neste momento só não posso fazê-lo porque estou no serviço e tenho uma série de coisas para fazer...


beijos


csd

Anónimo said...

Marta,

És demais!!!!
só tu para escreveres "assim"...
P