quinta-feira, abril 28

porque sim



[...onde o coração se esconde...]

5 Comments:

Funes, o memorioso said...

Não tem nada a ver com o tema do post, mas hoje aconteceu um milagre de que não posso deixar de lhe dar conta. Encontrei este texto de Miguel Torga:
«25 de Abril de 1981 – Um dia de cava e de retórica, de manhã a semear batatas no quintal, de tarde a ouvir os discursos que no parlamento celebravam a data de hoje. Agora, no sossego da noite, estou a pensar se não haverá um grande equívoco em determinadas certezas. Se, na verdade, a democracia em que vivemos nos não terá sido dada sem querer pelos próprios que agora se gabam da munificência. Necessitados de credibilidade na hora subversiva, encostaram-se à palavra miraculosa. E a palavra, arbitrariamente utilizada, acabou por os obrigar à observância da sua estrita significação.»
Não é que seja um grande texto literário, mas está bem escrito, é inteligente, faz sentido e não é nhurro, como costumam ser os textos de Torga que eu conheço.

Luis Eme said...

excelente homenagem ao poeta, à poesia, e claro, a Vila do Conde.

Marta said...

NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
posso acreditar!!!!!!

roubaram a palavra passe ao Prof. Funes e vieram aqui colocar este comentário!

[volto mais tarde. precisarei de tempo para me recompor]

Marta said...

plenamente de acordo, Luís.
bela homenagem de um poeta maior da nossa literatura, a um lugar que me diz muitíssimo.

Funes, o memorioso said...

É claro que o homem não conseguiu evitar a referência às batatas. Está-lhe na massa do sangue.