sábado, junho 4

Amo o caminho...


Amo o caminho que estendes por dentro das minhas divisões.

Ignoro se um pássaro morto continua o seu voo

Se se recorda dos movimentos migratórios

E das estações.

Mas não me importo de adoecer no teu colo

De dormir ao relento entre as tuas mãos.


Daniel Faria


[...não consigo comentar, mas consigo fazer copy/past daqui para aqui...]

3 Comments:

TERESA SANTOS said...

Há palavras/emoções difíceis de comentar, mas bálsamos que nos encantam.
Abraço.

josé luís said...

abençoado
copy/paste
obrigado.
:)

deep said...

Muito bonito.
Explicar a poesia é despi-la da afeição que nasce do primeiro encontro entre nós e as palavras.