segunda-feira, junho 28

Esse comboio de corda


O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração

Fernando Pessoa

2 Comments:

Carlos Pires said...

O que Fernando Pessoa disse dos poetas pode-se dizer de qualquer pessoa. Não é por acaso que os sociólogos nos chamam 'actores sociais' e falam de 'papéis sociais' a propósito das funções e deveres.

Sonhos & melodias said...

Lindo, lindo, lindo!!! Pessoa é uma de minhas paixões!