terça-feira, setembro 25

Super-Realidade




Eu era de terra quando me procuraste,

estranho à franqueza dos teus actos, baço

para os teus sentidos.



Parávamos o carro num beco qualquer,

queimávamos o rastilho das palavras

até ao deserto onde dávamos as mãos.



Lá fora, a realidade era o espaço inteiro

deitado nos vidros, o mundo caído para dentro

do silêncio.



Gastávamos depressa o tempo, perdidos

no nosso único mapa,

nenhum sinal de mudança no regresso a casa.


Rui Pires Cabral
in Anos 90 e Agora, Uma Antologia da Nova Poesia, pag. 247, Quasi 

0 Comments: