domingo, setembro 23

uma só palavra que a inspiração dos povos deixasse




uma só palavra que a inspiração dos povos deixasse


virgem de sentido e que,

vinda de um ponto fogoso da treva, batesse

como um raio

nos telhados de uma vida, e o céu

com águas e astros

caísse sobre esse rosto dormente, essa fechada

exaltação.

Que palavra seria, ignoro. O nome talvez

de um instrumento antigo, um nome ligado

à morte – veneno, punhal, rio

bárbaro onde

os afogados aparecem cegamente abraçados a enormes

luas impassíveis.

Um abstracto nome de mulher ou pássaro.

Quem sabe? – Espelho, Cotovia, ou a desconhecida

palavra Amor.



Herberto Helder

0 Comments: