terça-feira, dezembro 29

Mas quem disse que é proibido estar triste?


Dás reviravoltas ao corpo e à imaginação para afastar a tristeza. Mas quem te disse que é proibido estar triste? A verdade é que, muitas vezes, não há nada mais sensato que estar triste; todos os dias acontecem coisas, aos outros e a nós, que não tem remédio, ou melhor, que tem esse antigo e único remédio de nos sentirmos tristes.

Não deixes que te receitem alegria, como quem prescreve uma temporada de antibióticos ou colheres de água do mar em estômago vazio. Se deixares que te tratem a tua tristeza como se fosse uma perversão ou, na melhor das hipóteses, uma doença, estás perdida: além de triste, irás sentir te culpada. E tu não tens culpa de estar triste. Não é normal que sintas dor quando te cortas? Não arde a pele se te dão uma chicotada?

Pois, do mesmo modo, o mundo, a vaga sucessão dos factos que acontecem (ou dos que não acontecem) criam um fundo de melancolia. Já o dizia o poeta Leopardi: «tal como o ar enche os espaços entre os objectos, assim a melancolia enche os intervalos entre um prazer e outro».

Vive a tua tristeza, tactei-a, desfolha-a nos teus olhos, molha-a com lágrimas, envolve-a em gritos ou em silêncio, copi-a em cadernos, anota-a no teu corpo, anota-a nos poros da tua pele. Pois só se não te defenderes fugirá, por momentos, para outro lugar que não o centro da tua íntima dor.

E para saboreares a tua tristeza vou recomendar-te também um prato melancólico: couve flor em brumas. Trata-se de cozer em vapor de água essa flor branca, triste e consistente. Devagar, com aquele odor que tem o próprio hálito que a boca exala nas lamentações, ela vaia cozendo até amaciar. E em volta em bruma, no seu vapor fumegante, põe-lhe azeite e alho e alguma pimenta, e salga-a com lágrimas que sejam tuas. Então saboreia-a devagarinho, mordendo-a do garfo, e chora mais, e chora ainda, que aquela flor acabará por ir chupando a tua melancolia sem te deixar seca, sem te deixar tranquila, sem te roubar a única coisa que é tua naquele momento, a única coisa que já ninguém te poderá tirar, a tua tristeza; mas com a sensação de teres partilhado com essa flor imarcescível, com essa flor absurda, pré-histórica, com essa flor que os noivos nunca pedem nas floristas, com essa flor de couve que ninguém põe nas jarras, com essa anomalia, com essa tristeza florescida, a tua própria tristeza de couve-flor, de planta triste e melancólica.

Héctor Abad Faciolince in Receitas de Amor para Mulheres Tristes
imagem: Nicoletta Ceccoli

13 Comments:

Funes, o memorioso said...

A ideia de associar a culinária à literatura - ideia que eu penso terá começado com um livreco de Laura Esquível - é uma moda que resulta comercialmente, mas de resultados literários inevitavelmente abaixo de medíocres. No limite dos limites, sairá algo digno de Bulhão Pato. Olvidável, portanto.

Funes, o memorioso said...

E para saboreares a tua tristeza vou recomendar-te também um prato melancólico: couve flor em brumas

Veja-se o exemplo que transcrevo. É o exemplo acabado do que é péssima literatura. Melhor, do que não é literatura alguma. É só uma afirmação sem qualquer sentido, mas que para a moda dominante parece poesia e, por isso, vende bem. Quem a compra imagina estar a comprar uma experiência transcendental. Não está. Está só a comprar um disparate. Se o autor em vez de "couve flor em brumas" tivesse escrito "bróculos em aroma de espuma das ondas da manhã" ou "beterrabas em vento suão", o sentido do texto não se alterava absolutamente nada. Continuavam a ser só tolices.

Teresa said...

Olá Marta
Como eu gosto de couve-flor, não me importo nada que ela venha ou não envolta em brumas.
Este livro não conheço, mas o tal livro da Laura Esquivel "Como Água para Chocolate" é uma obra-prima.
Desejo-te um bom ano de 2010, cheio de coisas boas, paz, saúde, alegria, e alguma couve-flor, "just in case..."
Bjs

heretico said...

"Se deixares que te tratem a tua tristeza como se fosse uma perversão ou, (...) uma doença, estás perdida: além de triste, irás sentir te culpada..."

excelente.

gosto de couve flor (com um quase-nada de vinagre. a "apimentar" o sabor...)

beijo

Jorge Freitas Soares said...

Chamar Livreco ao "Como agua para chocolate" ... é um bocadinho exagerado.. coisa de nada... assim de repente um mar de livros passou a ser livreco, porque se esse é....

Olá Marta, desculpa lá, mas por isso é que gosto mais da plataforma do SAPO, agora respondia directamente ao comentário do Funes.

Beijinho e os meus melhores desejos para um 2010 cheio de realidades felizes.

Jorge

.Leonardo B. said...

[para deixar um enorme abraço, não necessário muito: a presença basta]

um excelente dois zero um zero, com as setas apontadas no sentido do humor e do amor q.b. (muito!)

deste lado do quintal

Leonardo B.

Marta said...

Jorge: não faz mal nenhum :)
o Prof. Funes é uma espécie de vírus no meu blog. um virus que, às vezes, diz coisas brilhantes e, outras vezes, diz apenas tolices. não vale a pena tomar a vacina. está em mutação.

Funes, o memorioso said...

Não estou nada em mutação.
E concordo inteiramente com Jorge Freitas Soares: um mar de livros que anda por aí faz um oceano de livrecos.
99,99% do que se publica são livrecos. Não é um fenómeno recente. Foi sempre assim. No séc. XIX, por exemplo, há milhares de tipos a escreverem romances. Quem sobreviveu? Eça, Camilo, Antero de Júlio Diniz, Almeida Garrett, Herculano e pouco mais.
E, no entanto, quem na época dissesse, por exemplo, que Pinheiro Chagas era um autor de livrecos seria atirado às feras. Afinal, não ganhou ele o grande prémio nacional de literatura a Eça de Queiros?
Acreditem: daqui a 100 anos, tirando um outro estudioso de bizarrias literárias do fim do séc. XX, ninguém fará ideia nenhuma de quem foi Laura Esquível e qual a sua obra. E naõ por uma injustiça que depois se reparará. Apenas porque a sua obra é olvidável.
Comprometamo-nos os três (eu, a Marta e o Jorge freitas Soares) a passar por aqui daqui a 100 ou 200 anos everemos se tenho ou não razão.

Funes, o memorioso said...

No meu comentário anterior queria dizer Júlio Diniz e não Antero de Júlio Diniz. O problema é que inicialmente eu tinha referido também Antero de Quental, mas depois lembrei-me que só estava a falar de romancistas. Antero sobreviveu como poeta e (menos) como ensaísta. Não, como romancista. Apaguei o Quental, mas esqueci-me de apagar o Antero de.

K said...

Belíssima prosa!

Beijos!

Vera said...

Já li este livro há tanto tempo...já nem me lembro...acho que lhe vou pegar outra vez.
Beijos Marta!
Bom 2010!!!

Jorge Freitas Soares said...

Demorei um dia a decidir se cá voltava para responder ao Funes ou não, no fim, ganhou o sim.

Podem pensar o que quiserem, mas eu acho o Eça de Queirós um chato de primeira, no liceu eu Li Cem anos de solidão do Garcia Marquez, Dona Barbara de Romulo Gallegos e a cidade e os cachorros do Vargas LLosa, quando vim para Portugal para a universidade ouvia os meus colegas falar do sacrifício que tinha sido ler um resumo dos Maias, fiquei curioso, arranjei o livro e li de seguida numa tarde..ok, achei razoável, depois disso li de seguida mais dois ou 3 do Eça... e terminei por me chatear, depois de ler o segundo ficou tudo previsível, eu conseguia saber o que ia acontecer nas paginas seguintes, porque os livros são todos iguais.

Eça de Queiroz é muito conhecido em Portugal, eu estudei na Venezuela, sempre fui um leitor inverterado, li dezenas de livro na adolescencia.... antes de chegar a POrtugal, nunca tinha ouvido falar do Eça, aposto que se formos ao México ninguém nunca ouviu falar dele.

Daqui a cem anos no México e na América latina continuará assim, ninguém terá ouvido falar dele, nem de outros autores portugueses, mas aposto que todos recordarão a Laura Esquivel.

Não sou nada de denegrir o que é nosso, mas é preciso ter consciência da realidade da nossa pequenês... e eu considero a maioria dos livros do Eça.. uns livrecos.

Jorge Soares

lin said...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,色情,080苗栗人聊天室,免費a片,視訊美女