quarta-feira, agosto 15

Quando no autocarro...


" (...) Quando no autocarro ou sobre os carris do metropolitano encaramos os outros, estamos ao mesmo tempo a olhar para o espelho; é por isso que se torna possível vermos então, como os nossos olhos são vagos, vítreos. E os romancistas do futuro darão uma importância crescente a estes reflexos, porque não apenas um reflexo, mas um número quase infinito deste género de refracções; aí estão as profundidades que os romancistas do futuro terão de explorar; esses os fantasmas que terão de perseguir, deixando cada vez mais de lado as descrições da realidade, pressupondo-a já suficientemente conhecida pelo leitor, como fizeram também os gregos e  Shakespeare, talvez - mas estas generalizações começam a parecer-me inúteis. (...)"

Virginia Woolf in Contos, p. 15 e 16, Relógio d`Água, 2004

2 Comments:

Miguel Pestana said...

Eu tenho que começar a ler os livros da Relógio d'Água!

Têm um catálogo repleto de escritores notáveis.

Este texto é fantástico.

Marta said...


vi-o na Fnac a 7.5 euros. é de aproveitar :)