quarta-feira, janeiro 1

Da lembrança e da homenagem


Fui a dois concertos dela. Num deles consegui falar-lhe. Trocamos meia dúzia de palavras. Eu só queria dizer-lhe o quanto a admirava. A admiro. O quanto me faz sentir muito, o quanto me inspira.
Morreu no dia 1 de Janeiro de 2010. Eu ia no carro. Ouvi a notícia no rádio. Na berma da estrada liguei os quatros piscas. Coloquei um dos seus três CDs e deixei-me chorar. Enorme! Imensa Lhasa.

Notícia aqui

3 Comments:

Carlos Azevedo said...

Uma cantora «bigger than life», inesquecível. Deixo aqui um pequeno excerto do texto, , publicado no Público, que o João Bonifácio escreveu aquando da sua morte: «O seu site, Lhasadesela.com, abre com uma fotografia dela, de costas, o rosto encoberto pelo cabelo a esvoaçar ao vento. Em fundo há uma longa estrada. O salmo dizia: "Não serás como a palha que o vento leva." Lhasa teve a coragem de o ser, e foi maior por isso.»

Maria Cruz said...

E as coisas que eu gostaria de lhe ter dito e não disse porque não tive essa oportunidade?! (Afinal ainda aqui ando! :))

deep said...

Quando soube que tinha morrido, fiquei verdadeiramente triste e, durante dias, não consegui deixar de pensar nela.

Um bom ano, Marta. :)