domingo, abril 29

Por vezes ficava maravilhado...


...Por vezes ficava maravilhado ao ver que o mundo inteiro surgia sob uma luz totalmente diferente, desconhecida. Outras vezes ainda o crepúsculo prevalecia e cobria tudo, o universo inteiro concentrava-se numa única emoção e num único estilo, e isso agradava-me e sentia então que estava a ler avidamente o livro devido a essa atmosfera especial. À medida... em que penetrava lentamente no universo do romance que estava a ler, apercebia-me de que as sombras daquilo que tinha feito antes de abrir as páginas do romance, instalado em casa da minha família em Besiktas, Istambul - beber um copo de água, conversar com a minha mãe,pensamentos que me tinham passado pela mente, ressentimentos que tinha guardado em mim - desapareciam pouco a pouco.

Orahan Pamuk in O Romancista Ingénuo e o Sentimental, pag. 13, Editorial Presença, 2012

2 Comments:

Claudia Sousa Dias said...

boa.

Miguel Pestana said...

tenho o livro para ler.
Já li notas muito positivas sobre o livro. Será o primeiro do Nobel que vou ler e a expectativa é muita :)

E este excerto conquistou-me.