quinta-feira, abril 12

Óscar e a senhora cor-de-rosa



"Querido Deus. Chamo-me Óscar, tenho dez anos, peguei fogo ao gato, ao cão, à casa (acho que até grelhei os peixes vermelhos) e é a primeira carta que te mando porque dantes, por causa dos estudos, não tinha tempo… "


Lídia Franco sobe ao palco, no Porto, com o monólogo “Óscar e a senhora cor-de-rosa”. Mais concretamente, sobe ao palco do auditório da FEUP, na Rua Roberto Frias (junto ao Hospital de S. João). Dia 21 de Abril, às 21h30.



«A história do menino para quem cada dia equivale a dez anos enreda-nos no grande mistério da vida: o segredo da felicidade.
“Óscar e a Senhora Cor-de-Rosa” é um hino à vida e ao ser humano. Mostra-nos a amizade total entre uma criança com leucemia e a Senhora cor-de-rosa (voluntária na área da pediatria do Hospital), que todos os dias o visita. Entre os dois estabelece-se um jogo: “Cada dia equivale a dez anos”. Deste modo o menino passa a ter a sensação de que avança no tempo e de que aproveita a vida nas suas diferentes idades.

Ele morre com mais de cem anos, embora na realidade tenham passado apenas alguns dias, mas a sua vivência foi plena de emoções e alegrias. Nessa “longa” vida que o menino passa a ter, ele reinventa o Mundo sob a maravilhosa cor de fantasia, desafiando a morte com um olhar divertido sobre o Universo dos adultos e das outras crianças doentes que o rodeiam no Hospital. Desta vida maravilhosa ficou o testemunho através de cartas que o menino escrevia todos os dias a Deus.

O texto é de Eric-Emmanuel Schmitt, um dos mais prolíficos romancistas e dramaturgos franceses do nosso tempo, a encenação de Márcia Haufrecht, actriz, dramaturga e encenadora, e foi com brilhante interpretação de Lídia Franco que o Monólogo estreou em 2008 no TNDM II, onde esteve dois meses e meio em cena, sempre com lotações esgotadas. Desde então esteve em itinerância por todo o país e foi distinguido na área do Teatro pela Gala da RTP1 “Portugal Aplaude 2011”.

Sobre “Óscar e a Senhora Cor-de-Rosa”, conta Eric-Emmanuel Schmitt: “Duas semanas depois do lançamento do livro, fui abordado por uma criança de perto de dez anos, que me pediu que lhe autografasse o livro. Disse-me que tinha adorado a história do miúdo. Olhei para a mãe dele e perguntei-lhe se ela o tinha lido. Ela respondeu-me que não… por causa do tema!”, recorda. Tal como Óscar, as crianças querem falar da morte – ao contrário dos pais – e querem perceber. O apelo do texto é que nos faz descobrir o grande mistério da vida, o segredo da felicidade”.

Texto retirado daqui

1 Comment:

Anónimo said...

quero muito ir!
C