sexta-feira, fevereiro 22

Diz-me que pedra é essa

Diz-me que pedra é essa
Onde te deitas desconfortável
Em cada noite.

Os ossos absorvem o frio,
Acomodam-se à irregularidade
Dos veios que irão

Assinalar os pontos mais sensíveis
Do território íntimo,
Aquele onde se sente mais

A pontada de frio
Quando não se adormece.
E a garganta,

Limite de ansiedades e sobrevoos,
Retrai-se
Como um fruto encarquilhado

Já sem seiva
Ou sabor possíveis.
Diz-me

Onde está a fronteira
Entre o espaço que ocupas
E o deserto que olhas.

Rui Almeida

2 Comments:

Marli Terezinha Andrucho Boldori said...

Marta, o poema "diz-me que pedra é essa" me levou para diversas leituras, o que é ótimo, pois indica que a poeta tem o dom de nos fazer pensa e refletir sobre certos assuntos. Parabéns! Abraço!

alberto quadros said...

Olá Marta! tenho outro livro quase pronto, de versos, pensamentos e contos curtos. Talvez apareça no e-book. Um abraço, escreva mais!A.Quadros