terça-feira, abril 28

As tuas mãos


É só para dizer - nada urgente - que com o teu olhar e com a tua voz fiz uma noite branca. Faltam-me as tuas mãos para fazer o poema. E faltas-me tu, para ser verdade.

imagem: Pedro Camara

12 Comments:

Whesley Fagliari dos Santos said...

oi Marta... Viva Marta!

Como estás?

Que linda a sua postagem... De uma poesia sem tamanho... Admiro muito quem consegue se expressar com tão poucas palavras desta forma... Sou deveras prolixo e vou ficando, me esquecendo no texto... Daí não acaba!

Parabéns mesmo... Linda imagem... Lindo poema... Lindo tudo o que cá está...

Beijos no coração,

Whesley

Anónimo said...

Whesley, volte a ler a etiqueta, isto é um telegrama, não é um poema.

K said...

Poema ou telegrama...essas são mãos que depositam amor!

(deduzo eu)

Beijos

Anónimo said...

Tua ainda me vais ensinar a fazer destas coisas. Não com olhares ou vozes, mas com as palavras.
Belo TELEGRAMA!

Cristina M.

beijinhos

Dalaila said...

como aquele museu maravilhoso que visitamos do Chillida Leido Tenho as mãos de ontem faltam-me as de amanhã.

Patti said...

Penso que não, Marta.
Com estas palavras, não falta mais nada.
Está lá tudo.

Anónimo said...

Pode não lhe querer chamar poema, Marta, mas é. E tão cheio de significado, nessa ligeireza trivial que lhe imprime, ou quer imprimir. Diz tanto, em duas linhas, mais do que longos poemas, se o quiser entender assim.
Obrigada, pelo momento.
Maria Manuel Figueiredo

Pedro Lopes said...

seja a nuvem passageira
da tua mão o céu a voz
à noite da noite branca
o olhar que urgente fez

Zaclis Veiga said...

Tenho aprendido pelos anos que para derramar o coração é preciso ter coragem.
Gostaria de saber ser menos covarde e de ter as palavras nas pontas dos dedos,como você as tem.
beijos

Claudia Sousa Dias said...

as tuas também são dignas de serem retratadas por michelangelo.


csd

Marta said...

tantas palavras gentis! as vossas!

obrigada a todos!


ps. Zaclis, se não tivesses colocado ali a palavra coragem, eu calava-me! Mas, assim, não ía dormir sossegada!
a) não é coragem. ha-de ser outra coisa qualquer!
b)e ficam na ponta dos dedos, por falta de espaço ou lá que é, na ponta da língua :) :) :) onde deviam estar! às vezes. ou não.
é melhor retirar-me. que eu quando fico desfocada, não digo té-té :)

Anónimo said...

MAGNÍFICO!!!!!!!!!!!!!!!!!1
QUE ARREPIO DE PALAVRAS.
PARECEM MÃOS PELO CORPO.